Causas da Ansiedade Social

Por que Você tem Ansiedade Social?

Desde que foi oficialmente reconhecido como um distúrbio em 1980 pela Associação Psiquiátrica Americana, cientistas em todo o mundo têm tentado identificar e compreender as causas do distúrbio de ansiedade social.

Como para a maioria das condições psicológicas, a maioria dos profissionais contemporâneos concorda com a idéia de que a fobia social é causada por uma combinação de fatores genéticos, bem como de fatores ambientais e socioeconômicos.

O que isto significa é que dificilmente existe uma causa específica de ansiedade social, mas sim uma variedade de fatores que podem levar a uma certa vulnerabilidade que favorece seu desenvolvimento.

É importante notar que mesmo uma combinação da maioria desses fatores não causa necessariamente ansiedade social em um indivíduo.

Uma pessoa pode estar equipada com “genes de ansiedade social”, ter sido criada por pais excessivamente críticos e ter um estilo de apego inseguro, mas nunca realmente luta com a ansiedade social e geralmente se sente confiante ao redor dos outros. Apesar de uma certa vulnerabilidade, a fobia social não se desenvolve.

Em contraste, outros podem ser afetados apenas por muito poucos desses fatores e desenvolver ansiedade social como resultado.

Por exemplo, este pode ser o caso de um indivíduo que normalmente é extrovertido e sociável e sofre uma experiência social traumatizante. Neste caso, o condicionamento direto pode causar o desenvolvimento de distúrbios de ansiedade social em situações de desempenho.

As Possíveis Causas do Transtorno de Ansiedade Social

Mais uma vez, não existe um único fator determinante para o desenvolvimento do distúrbio de ansiedade social. Ao invés disso, a possibilidade de ansiedade social emergente aumenta à medida que certas predisposições se combinam.

Os seguintes fatores têm sido ligados à fobia social e acredita-se que sejam possíveis causas de ansiedade social.

Por que você está tão preocupado com o que os outros pensam de você? Causas de ansiedade social

Genética

Embora os pesquisadores não tenham sido capazes de identificar um “gene específico de ansiedade social”, os laços familiares são muito comuns entre aqueles com fobia social.

Especialmente aqueles com transtorno generalizado de ansiedade social geralmente têm vários parentes que são diagnosticados com transtorno de ansiedade social ou que têm temperamentos muito tímidos e socialmente inibidos.

Portanto, os genes parecem desempenhar um papel para algumas pessoas afetadas (Spence & Rapee, 2016).

Estilo de apego inseguro

O famoso psicólogo John Bowlby cunhou o termo “estilo de apego” (1969). Ele se refere à maneira como nos relacionamos com os outros, especialmente em nível emocional e é formado na primeira infância.

Uma ligação segura entre criança e mãe (ou outro cuidador primário) estabelece as bases para uma ligação emocional segura para o resto da vida da criança e é um fator importante para a saúde psicológica.

Se a mãe não responder adequadamente às necessidades da criança, o resultado pode ser um estilo de apego inseguro.

Estudos sugerem que um estilo de apego inseguro é um fator de risco para o desenvolvimento de distúrbios de ansiedade social (Bohlin, Hagekull, & Rydell, 2000Muris, Mayer, & Meesters, 2000).

Falhas dos pais

Muitas pessoas com fobia social relatam terem sido criadas por pais que eram superprotetores, controladores, insensíveis, rejeitadores, ou emocionalmente distantes.

O excesso de controle e rejeição dos estilos parentais tem sido ligado ao desenvolvimento da ansiedade social (Bögels, Van Oosten, Muris, & Smulders, 2001Wood, McLeod, Sigman, Hwang, & Chu, 2003).

Os pais que enfatizam demais a opinião dos outros, isolam socialmente seus filhos, ou os envergonham freqüentemente parecem ser mais freqüentes entre os que sofrem de distúrbios de ansiedade social também (Bruch, Heimberg, Berger, & Collins, 1989Stravynski, Elie, & Franche, 1989).

Experiência(s) social(ais) traumática(s)

Cerca da metade de todas as pessoas com transtorno de ansiedade social relatam que uma faux-pas social que elas experimentaram como altamente humilhante marcou o início de sua ansiedade social (Öst, 1985).

Uma anedota comum frequentemente relatada pelos portadores de fobia social é a de serem provocados, gozados ou ridicularizados por não responderem adequadamente a uma tarefa na escola, tal como ler em voz alta ou fazer uma apresentação.

Psicólogos se referem a este tipo de aprendizado como condicionamento direto. Ao experimentar uma situação social muito desconfortável, o cérebro tenta proteger o organismo de ter que experimentá-la novamente, ativando áreas do cérebro responsáveis pelas respostas ao medo. Isto muitas vezes acontece quando se pensa apenas em uma experiência semelhante.

Este é o sistema de proteção do cérebro em funcionamento, infelizmente ele é de pouca ajuda no caso de distúrbio de ansiedade social.

Testemunhar as experiências sociais traumáticas de outros

Houve algumas descobertas interessantes com primatas não humanos que sugerem que, simplesmente observando outra pessoa com uma experiência social traumática, podemos aprender a ter medo de situações similares (Öst & Hughdahl, 1981Mineka & Cook, 1991).

Testemunhando as conseqüências sociais negativas da falsa-pas social dos outros, o cérebro pode ser condicionado a temer situações semelhantes, mesmo que não as tenha vivenciado diretamente. Para pessoas com pais ou irmãos socialmente ansiosos, esta pode ser uma causa relevante.

Eventos Negativos Significativos de Vida

Descobriu-se que pessoas com transtorno de ansiedade social frequentemente relatam eventos negativos na vida, tais como mudança de vida em vários momentos durante a infância, abuso sexual, divórcio dos pais, doença significativa durante a infância, psicopatologia dos pais e conflitos familiares (Kessler, Davis, & Kendler, 1997Magee, 1999Lieb et al., 2000; Bandelow et al., 2004).

Parece que experiências deste tipo representam outra predisposição que aumenta a vulnerabilidade ao desenvolvimento de fobias sociais.

Déficit de Habilidades Sociais

As pessoas com fobia social freqüentemente questionam sua competência social, embora um número esmagador de estudos tenha mostrado que a maioria dos que sofrem de ansiedade social subestima claramente seu desempenho social (Cartwright-Hatton, Hodges, & Porter, 2003Cartwright-Hatton, Tschernitz, & Gomersall, 2005Clark & Arkowitz, 1975Norton & Hope, 2001Rapee & Abbott, 2006Rapee & Lim, 1992Stopa & Clark, 1993Voncken & Bögels, 2008).

Na mesma ordem de idéias, a maioria das pessoas com fobia social, além disso, superestima a visibilidade de sua ansiedade.

Ainda assim, algumas pessoas com ansiedade social parecem não ter habilidades sociais (por exemplo, Alden & Mellings, 2004Alden & Wallace, 1995Baker & Edelmann, 2002).

Nesses casos, pode surgir um ciclo vicioso que, em última instância, leva ao desenvolvimento de distúrbios de ansiedade social, considerando que uma deficiência nas habilidades sociais é susceptível de levar a experiências sociais negativas, o que aumenta a evasão social, o que mais uma vez impede a melhoria das habilidades sociais (Spence, Donovan, & Brechman-Toussaint, 1999).

Vieses Cognitivos (ou: formas desfavoráveis de pensar)

Os vieses cognitivos se relacionam com a forma como percebemos o mundo ao nosso redor. Eles são altamente dependentes de nossas crenças, de nossos modos de pensar e da maneira como pensamos.

Imagine ser convidado a avaliar seu bem-estar em uma sexta-feira à tarde. Agora imagine a mesma coisa, mas em uma segunda-feira de manhã. Suas respostas provavelmente serão de alguma forma diferentes, dado que o mundo tende a parecer mais colorido com a chegada do fim de semana.

Assim como sua maneira de pensar afetou suas respostas na pesquisa imaginária acima, as pessoas com ansiedade social são fortemente influenciadas pelas crenças que têm sobre si mesmas, sobre os outros e sobre o mundo.

Além disso, um estado emocional ansioso e deprimido pode afetar a maneira como as pessoas com transtorno de ansiedade social percebem seu ambiente e a si mesmas em situações sociais.

Os pensamentos movidos pela ansiedade aumentam a probabilidade de perceber sinais sociais que sinalizam ameaça e desaprovação.

Tem sido sugerido que os vieses cognitivos podem levar ao desenvolvimento de transtorno de ansiedade social (Alfano & Beidel, 2011).

Entretanto, não está claro se eles devem ser vistos como as causas fundamentais da ansiedade social, uma vez que também podem ser interpretados como meras manifestações ou sintomas do distúrbio.

Vulnerabilidades biológicas

Embora não haja evidências suficientes para provar a existência de anormalidades estruturais no distúrbio de ansiedade social, houve algumas descobertas interessantes que sugerem certas diferenças biológicas.

Assim como nos vieses cognitivos, não está claro se essas diferenças neurobiológicas são causas de ansiedade social ou se devem ser consideradas manifestações de distúrbios de ansiedade social após seu início.

Influências culturais

As culturas individualistas, como as encontradas na América do Norte e na maioria das partes da Europa, valorizam a confiança social, e os indivíduos que saem tendem a se esforçar nessas sociedades.

Isto deixa as pessoas com temperamentos reservados e tímidos em uma posição em que ou ajustam sua personalidade aos padrões sociais ou sofrem as conseqüências de não se encaixarem.

Estes últimos freqüentemente incluem receber salários mais baixos, ter menos amigos e parceiros românticos e lutar com a sensação de ser inadequado, entre outros (Alden & Taylor, 2004Hart, Turk, Heimberg, & Liebowitz, 1999Spokas & Cardaciotto, 2014).

Para pessoas com este tipo de temperamento, o desenvolvimento de transtorno de ansiedade social pode ser uma conseqüência (Brockveld, Perini, & Rapee, 2014).

Being shy and introverted are often seen as undesirable traits in individualistic cultures.

Em culturas coletivistas, como as encontradas na Ásia Oriental, um temperamento tímido e bastante reservado é frequentemente apreciado. Pessoas muito extrovertidas e extrovertidas são muitas vezes vistas como rudes e desrespeitosas nestas sociedades.

E de fato, quando se observa a prevalência da fobia social em países como Japão e China, os números tendem a ser menores em comparação com os países ocidentais, como os Estados Unidos e a Rússia (Hofmann, Asnaani, & Hinton, 2011).

As expectativas da sociedade podem influenciar o que é visto como deficiência funcional e, portanto, o que é classificado como um distúrbio psicológico.

Entretanto, enquanto o distúrbio de ansiedade social, definido como medo de avaliação negativa e humilhação, não é tão comum nas culturas coletivistas, outro tipo de medo social pode ser encontrado com freqüência nestas sociedades.

Especialmente no Japão, o medo de fazer outras pessoas se sentirem desconfortáveis tem sido bem documentado. Tem sido sugerido que este fenômeno, referido como Taijin Kyofusho, está relacionado a normas culturais que valorizam a interdependência e a harmonia social (Rector, Kocovski, & Ryder, 2006).

Enquanto a cultura em que um indivíduo cresce parece ter uma influência nas chances de desenvolver ansiedade social, ela deve ser tratada como um fator predisponente ao invés de uma causa fixa. Mas, como já foi apontado várias vezes, isto explica todas as causas de ansiedade social listadas nesta página.

Taijin Kyofusho, um tipo de ansiedade social predominantemente encontrado no Japão, tem sido associado ao medo de ofender os outros.

Outra coisa a ter em mente é que as questões psicológicas nem sempre são fáceis de generalizar, pois a composição biológica única de uma pessoa e suas experiências de vida criam uma forma peculiar de estar no mundo.

Ou seja, nem todos reagem da mesma maneira quando confrontados com uma determinada situação. Isto também é verdade para o processamento emocional de eventos perturbadores da vida e explica por que nem todos os afetados pelas vulnerabilidades acima desenvolvem fobia social.

Para aprender sobre as inúmeras terapias eficazes para a ansiedade social, dirija-se ao nosso guia de tratamento completo


Mostrar Referências

Pegue, Compartilhe & Siga

.