O Ciclo Vicioso da Fobia Social: Parando os Desencadeadores

Algumas pessoas sentem ansiedade social com mais freqüência e mais intensamente do que outras. Para muitos, é difícil discernir o que exatamente desencadeia seus medos sociais. Ganhar clareza sobre o que desencadeia a sua ansiedade social é útil se você quiser reduzi-la.

A ansiedade social é desencadeada quando estamos altamente motivados a transmitir uma impressão específica sobre os outros, mas temos pouca confiança em nossa capacidade de fazê-lo. Esta discrepância desencadeia uma reação de ansiedade, pois tememos que haverá consequências prejudiciais se não formos percebidos como desejamos.

If you place a lot of importance on other people's opinions about you, you may run into trouble when these opinions could potentially become negative.

Em outras palavras: se você dá muita importância às opiniões dos outros sobre você, você pode ter problemas quando essas opiniões podem se tornar negativas (Leary, 2001).

A Ansiedade Social é Disparada para Proteger Sua Persona Pública

O termo figura pública se refere à imagem ou impressão que os outros têm de você. Como somos percebidos pelos outros afeta significativamente se podemos fazer amigos ou não, se conseguimos um bom emprego ou não e se encontramos um parceiro atraente ou não, entre muitas outras coisas.

Dado que nossa figura pública tem um impacto direto em nosso acesso a recursos valiosos, só faz sentido que nós o valorizemos.

Por causa disso, seu corpo pode responder com ansiedade assim que você sentir que sua figura pública pode estar em risco de ser danificada. Esta resposta de ansiedade o coloca em estado de emergência, projetada para protegê-lo do perigo e afastar qualquer dano potencial.

Embora esta reação faça sentido e possa ser bastante útil, ela rapidamente se torna contraproducente se for muito intensa.

Pode ajudar a ficar um pouco preocupado com a impressão que você está causando nos outros, mas certamente é desfavorável se preocupar excessivamente.

Há um ponto doce de ansiedade (Diamond, Campbell, Park, Halonen, & Zoladz, 2007), que é rapidamente superado por pessoas socialmente ansiosas. Neste ponto, sua ansiedade se interpõe no caminho de proteger sua figura pública. Ainda mais, ela a machuca.

Por que a Ansiedade Social é ativada com mais facilidade em algumas pessoas?

Entre outras coisas, as pessoas socialmente ansiosas tendem a (Foa, Franklin, Perry, & Herbert, 1996Hofmann, 2004):

  1. Sobrestimar os custos sociais de serem percebidos de uma forma indesejada.
  2. Sobrestimar a probabilidade de ser percebido de uma forma indesejada.

Ao acreditar que os percalços sociais são prováveis e que teriam conseqüências catastróficas, as pessoas com fobia social experimentam uma hiperatividade fisiológica e estão em constante alerta em situações sociais (Wells et al., 1995).

Do ponto de vista deles, muito está em jogo quando entram em uma situação social, já que sua figura pública é susceptível de ser danificada.

Além disso, eles frequentemente se sentem sobrecarregados pela ansiedade (Hofmann & Barlow, 2002). Isto tipicamente os leva a se sentirem ineptos e eles imaginam que outros devem estar julgando-os por suas inadequações sociais (Hofmann, 2007).

Portanto, pessoas com alta ansiedade social tendem a evitar as situações que elas temem (Wells et al., 1995). Se elas as enfrentam apesar de sua ansiedade, elas tipicamente usam comportamentos de segurança para evitar qualquer possível dano à sua imagem pública.

Por exemplo, um comportamento de segurança comum que visa proteger contra parecer tímido ou introvertido é fingir que está enviando mensagens de texto ao telefone quando está perto de outras pessoas.

Uma vez que a situação social tenha terminado, pessoas socialmente fóbicas frequentemente ruminam sobre seu comportamento (Mellings & Alden, 2000Rachmann, Grüter-Andrew, & Shafran 2000). Eles fazem isso na esperança de evitar percalços sociais no futuro.

No entanto, eles geralmente o fazem em vão. Neste ponto, um ciclo vicioso foi posto em prática. A ansiedade social é mantida e exacerbada por estes comportamentos (Hofmann, 2007).

Como impedir que a ansiedade social seja desencadeada?

Para interromper este ciclo de ansiedade auto-reforçador, os especialistas têm proposto várias intervenções que abordam componentes específicos deste modelo. Estas são (Hofmann, 2007):

  • Facilitar uma percepção mais realista dos padrões sociais dos outros
  • Treinar a capacidade de direcionar a atenção para longe da ansiedade e dos pensamentos ansiosos
  • Diminuir a apreensão das sensações corporais de ansiedade
  • Promover uma auto-percepção mais precisa
  • Melhorar a previsão dos custos sociais após os percalços sociais
  • Reduzir o desejo de controle emocional e construir tolerância em relação aos sentimentos desconfortáveis
  • Buscar exposição repetida às situações temidas sem o uso de comportamentos de segurança
  • Quebrar o hábito da ruminação pós-evento

Aqui, nós vamos rapidamente decompor como cada um deles pode ser alcançado.

Facilitar uma percepção mais realista dos padrões sociais dos outros

Dado que a maioria das pessoas com ansiedade social superestima os padrões sociais e as expectativas que outras pessoas têm sobre eles, pode ser muito útil modificar essas suposições.

Isto pode ser alcançado através de discussões sobre as expectativas percebidas de outras pessoas em situações sociais específicas.

Facilitating a More Realistic Perception of Others' Social Standards

Na maioria dos casos, as pessoas afetadas perceberão que os padrões sociais freqüentemente não são tão altos quanto elas tendem a acreditar. Como conseqüência, elas sentirão menos pressão para atuar em situações sociais e experimentarão menos ansiedade como resultado.

Treinar a capacidade de direcionar a atenção para longe da ansiedade e dos pensamentos ansiosos

Em situações estressantes, sensações físicas e pensamentos desconfortáveis freqüentemente chamam a atenção de pessoas socialmente ansiosas.

No tratamento, o paciente é educado sobre os efeitos negativos de focar nesses estímulos ameaçadores e é encorajado a direcionar sua atenção para a tarefa em questão, as situações sociais ou outros estímulos externos.

Attention training techniques can be used to practice the ability to direct one's ability to deliberately direct your attention towards specific cues when under stress.

Técnicas de treinamento de atenção podem ser usadas para praticar a habilidade de direcionar sua atenção deliberadamente para pistas específicas quando sob estresse.

Uma grande ferramenta são as práticas de mindfulness, que têm sido cada vez mais empregadas em psicoterapia ao longo da última década.

Nós escrevemos um extenso artigo sobre os efeitos do mindfulness nas pessoas com ansiedade social. Você pode clicar aqui e nós o levaremos até ele – ele inclui várias meditações guiadas especificamente projetadas para pessoas com fobia social.

Diminuir a apreensão das sensações corporais de ansiedade

Para aquelas pessoas que estão lutando com as sensações físicas de ansiedade, exercícios de exposição interoceptiva podem ser muito úteis.

Expondo-se às temidas sensações físicas (como suor, rubor ou batimento cardíaco rápido), elas podem aprender que estas sensações não são perigosas.

Muitos pacientes também percebem que têm mais controle sobre estes sintomas como esperavam e que outras pessoas não os percebem tanto quanto podem suspeitar.

Promover uma auto-percepção mais precisa

Muitas pessoas com ansiedade social têm opiniões altamente distorcidas sobre seu desempenho social.

Porque elas sentem ansiedade intensa, elas tendem a acreditar que outras podem facilmente perceber isso. Nossas emoções podem facilmente nos convencer de que o que sentimos é real, mesmo que não seja.

O mesmo explica o nosso comportamento em situações sociais. Se uma pessoa experimenta altos níveis de ansiedade e insegurança, ela irá se concentrar exclusivamente nos aspectos negativos de seu comportamento. Isto deixa pouco espaço para que coisas positivas sejam notadas.

Vídeo, áudio e feedback em grupo podem ser ferramentas úteis para modificar a autopercepção distorcida de uma pessoa (Rapee & Hayman, 1996).

Video, audio, and group feedback can be useful tools to modify a person's distorted self-perceptions.

Ver-se em situações sociais em vídeo ajuda muitas pessoas a perceber que elas não parecem tão ansiosas e fora do lugar como acreditavam. O mesmo se aplica às gravações de áudio ou ao feedback construtivo do grupo. Estas estratégias ajudam o paciente a explorar diferentes maneiras de ser percebido.

Outra ferramenta que pode ser usada são as exposições em espelho. Isto permite um feedback visual em tempo real enquanto a pessoa está imersa em uma situação social.

Melhorar a previsão dos custos sociais após os percalços sociais

Dado que pessoas com transtorno de ansiedade social geralmente superestimam as conseqüências negativas de serem percebidas de forma indesejada, pode ser muito útil envolver-se deliberadamente nos percalços exatos que elas temem.

Isto lhes permite observar as conseqüências reais de cair fora da linha. Na maioria dos casos, não há custos sociais sérios ligados aos percalços sociais. Perceber isso pode levar a melhorias rápidas e geralmente é muito eficaz (Fang, Sawyer, Asnaani, & Hofmann).

Para que os chamados exercícios de ataque de vergonha sejam eficazes, eles devem ser projetados para violar as normas sociais percebidas pelo paciente e desafiar a suposição de que isso terá conseqüências catastróficas (Hofmann, 2007).

Se você estiver interessado nesta abordagem, recomendamos que clique aqui para ser levado ao nosso artigo sobre exercícios de ataque da vergonha.

Reduzir o desejo de controle emocional e construir tolerância em relação aos sentimentos desconfortáveis

Muitos indivíduos socialmente fóbicos tentam combater as emoções negativas e desconfortáveis, especialmente quando estão perto de outras pessoas. Afinal, ansiedade e vergonha causam-lhes muito sofrimento, por isso é compreensível que eles se envolvam nessas tentativas.

No entanto, esta estratégia é contraproducente e só aumenta as emoções negativas. Isto fortalece ainda mais o desejo de controle emocional.

“O que você resiste não só persiste, mas crescerá em tamanho”.

Carl Gustav Jung

As pessoas afetadas por este ciclo vicioso precisam entender o efeito paradoxal de sua intenção. Uma vez que fazem isso, elas podem trabalhar em sua disposição de aceitar sentimentos e emoções desconfortáveis.

Ao reconfirmar ativamente esta nova atitude de aceitação em situações sociais, elas podem aprender a estar com sua ansiedade ao invés de combatê-la (Hayes, Strosahl, & Wilson, 1999).

Buscar exposição repetida às situações temidas sem o uso de comportamentos de segurança

Os comportamentos de evitação e segurança são considerados os mais importantes fatores de manutenção da ansiedade social, porque fecham um ciclo de feedback positivo (Hofmann, 2007).

Os comportamentos de segurança explicam porque tantas pessoas não melhoram, embora se exponham repetidamente às situações temidas. Uma pessoa com medo de ir a festas pode beber muito álcool antes e durante o evento.

Safety behaviors explain why so many people do not improve although they repeatedly expose themselves to the feared situations. A person afraid of going to parties may drink lots of alcohol before and during the event.

Embora a pessoa participe da festa, os benefícios da exposição não podem ser colhidos. Ao beber álcool, a pessoa não se expõe totalmente ao seu medo (“Eu só me diverti porque estava bêbado”, “Eles não me julgaram porque o álcool me fez falar e extrovertido”, etc.).

A exposição repetida e contínua a situações sociais temidas é um passo importante no tratamento, pois isso impede o fechamento de um ciclo de feedback positivo.

Para que esta intervenção funcione, todos os comportamentos de segurança devem ser identificados e eliminados.

Quebrar o hábito da ruminação pós-evento

Depois de passar por uma situação social estressante, pessoas com fobia social frequentemente ruminam sobre o evento passado (Clark & Wells, 1995). Esta ruminação geralmente oscila entre os sentimentos de ansiedade e a autopercepção negativa.

Na maioria das vezes, as pessoas afetadas se lembram da situação como altamente negativa, mesmo que não tenha sido tão ruim assim. Para as pessoas sem ansiedade social, o oposto tende a ser o caso.

Perguntas orientadas podem ajudar as pessoas afetadas a processar situações sociais passadas de uma forma mais adaptativa (Hofmann, 2007).

Por exemplo, como pergunta como “Como sua vida vai mudar por causa do que aconteceu?”, pode ajudar a pessoa a colocar a experiência negativa em perspectiva.

Guided questions can help affected people to process past social situations in a more adaptive way (Hofmann, 2007). For example, as question like "How will your life change because of what happened?", can help the person put the negative experience in perspective.

Por favor, tenha em mente que o modelo e as intervenções discutidas acima são baseadas no modelo teórico da terapia cognitiva comportamental (TCC).

Existem inúmeras outras abordagens de tratamento, que são baseadas em presunções distintas da psique humana.

Para uma visão completa das opções terapêuticas, recomendamos que você confira nosso eBook, que resume 17 abordagens psicoterapêuticas que se mostraram eficazes no tratamento da ansiedade social.

Além disso, outra boa leitura para você pode ser nosso guia de tratamento completo, que também discute medicação.

Você acha que você é afetado pela ansiedade social? Então participe de um estudo de pesquisa!

Isso tomará apenas 15 minutos do seu tempo e você conhecerá a gravidade da sua ansiedade social.

Você permanecerá completamente anônimo e ajudará os pesquisadores e clínicos a entender e tratar melhor a ansiedade social.

Para participar, simplesmente preencha a pesquisa abaixo ou clique aqui para abrir a pesquisa em uma nova janela do navegador. Nós agradecemos muito o seu apoio.

Pegue | Compartilhe | Siga


Mostrar Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.