Terapia Psicodinâmica para a Ansiedade Social

Existem agora vários tipos de psicoterapia que têm se mostrado eficazes no tratamento do transtorno de ansiedade social. Uma dessas abordagens é a terapia psicodinâmica.

Por muito tempo, ela não foi incluída nas recomendações de tratamento padrão para indivíduos socialmente fóbicos, pois faltavam evidências suficientes para sua eficácia. No entanto, isto mudou ao longo da última década.

A terapia psicodinâmica (TPD) tem se mostrado tão eficaz quanto a terapia cognitiva comportamental (TCC) no tratamento do transtorno de ansiedade social (TAS). Enquanto a TCC pode produzir resultados ligeiramente melhores no curto prazo, a TPD é tão eficaz no longo prazo e representa uma opção de tratamento válida.

Dê uma olhada nas seguintes estatísticas de um estudo de resultados de longo prazo realizado por Leichsenring e colegas (2014). Você verá que ao comparar seus efeitos 2 anos após a intervenção do tratamento, a TCC e a TPD haviam levado a resultados quase idênticos.

A taxa de resposta se refere à porcentagem de pacientes que experimentaram uma diminuição significativa na ansiedade social por causa do tratamento. A taxa de remissão indica a porcentagem de pacientes que superaram completamente seu distúrbio de ansiedade social.

Um estudo de longo prazo encontrou uma eficácia quase idêntica para a terapia cognitiva comportamental e a terapia psicodinâmica no tratamento do transtorno de ansiedade social.

Muitas pessoas socialmente ansiosas não respondem à recomendação de tratamento padrão da TCC e muitas são repelidas pela idéia de gradualmente se exporem às situações que temem.

Isto não só faz com que muitas pessoas abandonem prematuramente o processo de tratamento, mas muitas pessoas nem mesmo o iniciam.

A TPD é uma ótima opção para estes indivíduos, assim como para aqueles que buscam uma compreensão mais profunda do seu problema.

Aqui, nós teremos uma visão mais detalhada sobre esta abordagem e explicaremos como ela explica e trata a ansiedade social.

O que é Terapia Psicodinâmica?

A terapia psicodinâmica analisa a forma única em que uma pessoa se relaciona com outras. Baseado na teoria psicanalítica, ela argumenta que as relações interpessoais são a força motriz da psique humana. O discernimento psicológico nestes padrões relacionais, em sua maioria inconscientes, pode levar ao alívio sintomático.

Devido às suas raízes psicanalíticas, a TPD dá grande importância ao inconsciente, à relação terapêutica e a uma atitude analítica. Portanto, muitas vezes ela também é chamada de psicanálise relacional.

Com seu foco nas relações interpessoais do paciente, o tratamento tenta principalmente analisar os seguintes aspectos:

  • Os principais vínculos do paciente (seus relacionamentos mais importantes)
  • O ambiente relacional (com quem o paciente se relaciona? Quão significativas são estas relações com eles?)
  • Intersubjetividade (Surge quando duas pessoas interagem uma com a outra; tem componentes conscientes e inconscientes)
  • Relações de objeto (Na TPD, “objeto” refere-se a uma pessoa que tem significado afetivo para o paciente)

Vamos ver mais de perto porque os laços centrais do paciente são tão importantes.

The Importance of the Bond in Psychodynamic Treatment

Quando temos problemas com as pessoas que são mais importantes para nós, a terapia psicodinâmica fala de um conflito relacional (também: dinâmico). Se o conflito dinâmico é significativo e permanece inconsciente ou não resolvido, podem surgir sintomas como resultado.

De acordo com a teoria psicodinâmica, a ligação é a matéria prima da vida mental e nós somos o resultado da passagem por esta relação.

Em outras palavras, nossos relacionamentos mais importantes fornecem o assunto do qual somos construídos. Sem eles, nós não existiríamos. Nós só existimos em relação aos outros.

Portanto, os relacionamentos do paciente estão no cerne da TPD.

Teoria Relacional & Transtorno de Ansiedade Social

Há muitos contribuidores importantes para a teoria psicodinâmica. Entretanto, os três autores seguintes são os mais importantes quando se trata do desenvolvimento da ansiedade social.

John Bowlby (psiquiatra e psicanalista britânico)

Bowlby cunhou o termo estilo de apego. Ele acreditava que o relacionamento entre mãe e filho (ou outro cuidador primário) determina nossos padrões relacionais ao longo do resto de nossas vidas.

Nós buscamos vínculos íntimos ou mantemos outros à distância? Somos movidos pelo medo de sermos abandonados ou confiamos nos outros?

Se este relacionamento crucial, o primeiro relacionamento com nossa mãe não é seguro, podemos desenvolver um estilo de apego inseguro, que tem sido ligado a muitos problemas psicológicos, tais como ansiedade social.

Donald Winnicott (pediatra e psicanalista britânico)

Em uma nota semelhante, Winnicott acreditava que a mãe (ou outra cuidadora primária) desempenhava um papel decisivo para o desenvolvimento psicológico de seu filho. Ele propôs o conceito de uma mãe suficientemente boa.

Ele argumentou que a mãe não precisa ser perfeita, desde que ela atenda as necessidades da criança de uma maneira suficientemente boa. Se ela não o fizer, seu filho pode sentir que seu verdadeiro eu é inaceitável para ela, levando ao desenvolvimento de um falso eu.

Isto é visto como um mecanismo de defesa psicológica para proteger o verdadeiro “eu” da criança e pode levar à ansiedade social.

Melanie Klein (psicanalista austríaca)

Klein argumentou que uma das principais lutas que enfrentamos quando crianças é a realização de que estamos separados de nossa mãe (ou outro cuidador primário). Neste ponto, a criança entende que mãe (objeto) e criança (sujeito) não são a mesma entidade.

Quando isso acontece, a criança se torna consciente de que ambos, sentimentos de amor e também de ódio, existem em relação à mãe. Este ódio emerge quando a criança projeta suas próprias partes destrutivas sobre ela. Isso dá origem ao medo de ser punido (Klein chama isso de “posição paranóica“).

Quando a criança consegue reconhecer que a mãe tem lados bons e ruins, ela experimenta sentimentos de culpa e quer reparar os danos causados (que eles causaram em sua imaginação). Isto é chamado de “posição depressiva”.

Se este processo de (imaginado) reparação não for bem sucedido, a ansiedade social pode se desenvolver porque os objetos são vivenciados como hostis e perseguidores.

Among psychodynamic theorists, there is a strong consensus about the importance of the mother-child relationship, especially during early childhood.

Entre os teóricos psicodinâmicos, há um forte consenso sobre a importância da relação mãe-filho, especialmente durante a primeira infância.

O seguinte é uma lista de experiências de infância comumente relatadas por indivíduos socialmente ansiosos (Baeza, 2007):

  • A sensação de que amor, aprovação ou mesmo atenção tinham que ser conseguidos (ao invés de serem oferecidos incondicionalmente).
  • As relações com o(s) cuidador(es) primário(s) eram inseguras e imprevisíveis (ao invés de seguras e protegidas).
  • A falta geral de apoio emocional e o crescimento em um ambiente familiar crítico (ao invés de cuidadores de apoio).
  • Sentir-se abandonado em momentos cruciais durante a infância (o que frequentemente leva ao medo de apegar-se aos outros).

Como você pode ver, a qualidade do(s) primeiro(s) vínculo(s) importante(s) de uma criança determina(m) as bases psicológicas para o resto de suas vidas.

No entanto, isto não significa que esta estrutura predisponente não possa ser modificada em um ponto posterior. É precisamente aí que entra a terapia psicodinâmica.

Como a Terapia Psicodinâmica trata a Ansiedade Social?

Assim como na psicanálise, a terapia psicodinâmica encoraja o paciente a colocar em palavras o maior número possível de suas experiências psicológicas.

O tratamento é não-instrutivo e acredita que é o próprio paciente, não o terapeuta, que possui o conhecimento que pode levar a uma cura.

No entanto, este conhecimento é, em sua maioria, inconsciente. O trabalho do terapeuta é ajudar o paciente a acessar esse conhecimento oculto e dar sentido à sua experiência.

Uma ferramenta principal para fazer isso é a relação terapêutica. Como paciente e terapeuta trabalham juntos, seu relacionamento mútuo funciona como uma força motriz para a mudança.

Infográfico: Entre terapeuta e paciente desenvolve uma relação, que leva a uma comunicação consciente e inconsciente. A relação terapêutica pode levar a uma experiência transformadora.

Durante o processo de tratamento, paciente e terapeuta tentam descobrir as experiências relacionais que causaram o surgimento da ansiedade social.

Ao mesmo tempo, eles prestam muita atenção nos relacionamentos atuais do paciente e vêem se eles se transformam ao longo do caminho.

De certa forma, a relação terapêutica tem o potencial de proporcionar uma experiência corretiva para o paciente, atendendo a qualquer necessidade emocional que possa surgir durante o curso do tratamento.

Ao contrário da terapia cognitiva focada em sintomas, a TPD tradicional tem um importante componente ascético.

Isto significa que a TPD não busca uma cura para problemas psicológicos específicos per se. Ao invés disso, ela tenta cultivar o autoconhecimento, o que pode levar a experiências de autotransformação.

Entretanto, dado seus efeitos atenuantes, agora é freqüentemente usado como um meio de redução dos sintomas. Há várias intervenções breves (10-36 sessões) que demonstraram reduzir a ansiedade social de forma bastante confiável (Bögels, Wijts, Oort, & SallaertsJohansson et al., 2017Leichsenring et al., 2013).

Entre as mudanças objetivas que muitas vezes podem ser observadas ao longo do processo de tratamento estão:

  • Melhoria das habilidades de comunicação
  • Melhor gerenciamento de conflitos
  • Maior assertividade
  • Diminuição do isolamento social

Entretanto, o tratamento psicodinâmico está especialmente interessado nas mudanças subjetivas que o paciente experimenta.

Dada a sua natureza, elas não podem ser generalizadas. Entretanto, são dignas de nota as reduções significativas na ansiedade social experimentada pela maioria dos pacientes incluídos nestes ensaios.

Um componente importante da TPD é a visão analítica que o paciente provavelmente desenvolverá ao passar pelo processo terapêutico. Ao analisar todas as suas importantes relações em detalhes, esta atitude provavelmente acompanhará o paciente mesmo depois que ele terminar o tratamento.

An important component of psychodynamic therapy is the analytic view the patient is likely to develop while passing through the therapeutic process. By analyzing all their important relationships in detail, this attitude is likely to accompany the patient even after they finish treatment.

O processo de reconhecimento e solução de tensões e conflitos interpessoais que são vividos na relação terapêutica pode então ser aplicado às relações significativas do paciente fora do ambiente terapêutico. Portanto, a TPD tende a ter efeitos substanciais a longo prazo.

Vamos dar uma olhada em um dos muitos conceitos que são freqüentemente aplicados no tratamento.

O Tema Central de Relacionamento Conflituoso (CCRT)

Um conceito comumente usado por terapeutas psicodinâmicos para identificar e trabalhar em padrões relacionais problemáticos é o Tema Central de Relacionamento Conflituoso (CCRT; Luborsky, 1984).

Ele se refere a um padrão prejudicial no momento de se relacionar com os outros e consiste em três elementos diferentes. Um desejo do paciente, uma resposta de um ou vários outros, e uma resposta do paciente.

Infográfico para ilustrar o Tema Central de Relacionamento Conflituoso (CCRT) da Luborsky.

Um exemplo de um CCRT para uma pessoa socialmente ansiosa poderia ser algo parecido (Gabbard, 1992, como citado em Leichsenring, Beutel, & Leibing, 2007):

“Eu desejo ser afirmado por outros (D)”. Entretanto, os outros vão me humilhar (RO). Eu me sinto envergonhado e tenho medo de estar junto com os outros, então decidi evitar me expor (RS, sintomas de fobia social)”.

Apesar deste ser um exemplo comum, tenha em mente que o CCRT das pessoas socialmente ansiosas pode ser significativamente diferente do acima.

É importante notar que o CCRT é ativado quando uma pessoa com fobia social percebe o perigo externo e interno.

Important to understand is that the CCRT gets activated when a person with SAD perceives external and internal danger.

Durante o tratamento, o terapeuta e o paciente tentam identificar o CCRT único do paciente, que está intimamente ligado aos sintomas de ansiedade social.

Posteriormente, este padrão relacional específico representa o principal tópico de interesse no processo terapêutico.

Se o paciente e o terapeuta estabelecem uma forte aliança terapêutica, eles podem identificar e analisar como o CCRT aparece no cenário terapêutico.

Ao fazer isso, o tema central do relacionamento conflituoso pode ser ativamente alterado, o que potencialmente leva a reduções na ansiedade social.

Diferenças com a Psicanálise Tradicional

Devido às suas semelhanças, muitas pessoas colocam a psicanálise e outras abordagens psicodinâmicas na mesma caixa. Afinal de contas, a psicanálise é uma abordagem psicodinâmica e fornece o terreno no qual outras abordagens dinâmicas estão enraizadas.

Entretanto, existem algumas diferenças importantes que justificam uma distinção entre as duas. Vamos dar uma rápida olhada nelas.

Psicanálise Tradicional(Outros) Abordagens Psicodinâmicas
Os impulsos e as motivações do sujeito (do cliente/paciente) são o foco principal.A ligação entre o assunto e os outros é o foco principal.
O objeto (outra pessoa) é visto como uma necessidade até um fim para satisfazer o sujeito.O sujeito e o objeto dependem um do outro, pois é o seu vínculo que leva à satisfação.
Os relacionamentos são uma necessidade até o fim para obter prazer.As relações fornecem o material de que somos feitos. Nós precisamos que elas existam.
O sujeito se desenvolve conforme vai satisfazendo seus impulsos e aprende a controlá-los.O sujeito se desenvolve conforme ele se relaciona com outros e estabelece laços importantes.

A Terapia Psicodinâmica é a escolha certa para você?

A esta altura, você provavelmente verá que a TPD é uma opção de tratamento válida para aqueles que sofrem de ansiedade social. No entanto, isto não significa que seja automaticamente a escolha certa para você em sua situação específica.

Colocando isto em termos simples: Se você está procurando uma abordagem focada nos sintomas que lhe ensina técnicas específicas e pode levar a resultados rápidos, a TCC pode ser a melhor opção.

Dito isto, a TPD oferece uma abordagem mais profunda e tem o potencial de abordar a causa raiz de sua ansiedade social (e não apenas arranhar a superfície).

(Como nosso objetivo é fornecer informações imparciais neste website, queremos ressaltar que muitos terapeutas de TCC acreditam que nossas visões distorcidas, pensamentos irracionais e comportamentos de evasão mal adaptados são a causa raiz da ansiedade social.De acordo com esta visão, a TCC aborda a causa raiz do distúrbio da ansiedade social).

With that said, PDT offers a more profound approach and has the potential to address the root cause of your social anxiety (and not just scratch the surface).

Por mais difícil que seja ver, a ansiedade é freqüentemente o resultado de tensões interpessoais, conflitos e dificuldades. Identificá-las e mudar seus padrões relacionais pode ter um impacto profundo e positivo em seus sintomas.

Além disso, como os testes que mencionamos acima mostraram, a TPD pode levar a resultados rápidos.

No final, somente você pode decidir se uma abordagem psicodinâmica é ou não adequada para você. Se você sofre de ansiedade social, o mais importante é que você inicie um processo terapêutico. Seja a TPD, a TCC ou qualquer outra terapia eficaz que destacamos em nosso guia de tratamento completo.

Se você não tem certeza do tipo de abordagem que uma instituição ou um terapeuta oferece, estenda a mão e pergunte. Desta forma, você aumenta as chances de iniciar uma terapia que você vai gostar e manter.

Conclusões

  • A terapia psicodinâmica é baseada na idéia de que os laços interpessoais são a matéria da qual somos construídos.
  • Há numerosas perspectivas que diferem ligeiramente. No entanto, há um consenso geral sobre a importância do vínculo criança-mãe durante a primeira infância e como ele predispõe nossa composição psicológica durante o resto de nossas vidas.
  • Por que exatamente nós sofremos de ansiedade social é difícil de identificar e é difícil de generalizar. Responder a esta pergunta para uma determinada pessoa é um dos objetivos da TPD.
  • A base do tratamento psicodinâmico é o relacionamento e a comunicação entre o paciente e o terapeuta.
  • O tratamento procura controlar e aprender a viver com ansiedade. Isto é conseguido através da compreensão da forma única com a qual nos relacionamos com os outros.
  • A terapia psicodinâmica é um tratamento eficaz para a ansiedade social, especialmente a longo prazo.
  • O tipo de terapia que você procura e o terapeuta que você escolhe tem uma influência importante sobre se você a acha útil ou não e se mantém com ela. Procure e pergunte que tipo de terapia é oferecida e não se afaste de mudar seu terapeuta se você sentir que você tem um mau ajuste.

Mostrar Referências

Compartilhe & Siga