Tipos de Ansiedade Social

A ansiedade social, também chamada de fobia social, refere-se à preocupação excessiva de ser julgado, rejeitado ou avaliado negativamente em situações sociais (Associação Psiquiátrica Americana, 2013).

Toda pessoa saudável experimenta algum grau de medo social, mas para a maioria das pessoas estas preocupações são menores e não causam nenhum sofrimento significativo.

Entretanto, para cerca de 12% da população em geral, seus medos se tornam tão intensos que se qualificam para um diagnóstico de transtorno de ansiedade social (TAS) em algum momento de suas vidas (Kessler, Stein, & Berglund, 1998).

Embora todas essas pessoas possam receber o mesmo diagnóstico, elas muitas vezes diferem significativamente umas das outras em relação aos seus principais sintomas e áreas problemáticas.

Aqui, teremos um olhar sobre estas manifestações distintas de medos sociais, examinando os diferentes tipos de ansiedade social.

Existem Diferentes Tipos de Ansiedade Social?

Nem todas as pessoas com ansiedade social são parecidas.

Algumas podem temer apenas alguns cenários específicos, como falar em público ou namorar, enquanto outras experimentam sintomas de ansiedade em praticamente todas as situações sociais.

Da mesma forma, algumas pessoas estão especialmente preocupadas com seu comportamento e parecem socialmente ineptas (por exemplo, “dizer isto foi tão tolo”), enquanto outras podem ter particularmente medo de apresentar sintomas de ansiedade observáveis, tais como suor, rubor, tremor, ou uma voz trêmula.

Além disso, a ansiedade social é freqüentemente associada à introversão e timidez. Enquanto muitas pessoas com TAS são tímidas e introvertidas, há também muitas pessoas extrovertidas e extrovertidas com fobia social.

Como estes diferentes tipos de ansiedade social podem se beneficiar de diferentes abordagens de tratamento, os especialistas têm sugerido várias maneiras de dividir os pacientes com TAS em diferentes subgrupos.

Vamos dar uma olhada nestas propostas, antes de cobrir alguns medos muito específicos experimentados por pessoas socialmente ansiosas.

Classificação da Ansiedade Social em Categorias

Na ciência, os especialistas nem sempre estão de acordo. Isto também se aplica à classificação de pessoas socialmente ansiosas em diferentes subgrupos.

Há múltiplas sugestões de diferentes equipes de pesquisa. Abaixo veremos 3 maneiras diferentes que podem ser usadas para classificar pessoas com ansiedade social em diferentes tipos.

  • Classificação de acordo com o número de situações sociais temidas.
  • Classificação de acordo com os tipos de situações sociais temidas.
  • Classificação de acordo com o foco dos medos sociais.

Categoria I: Número de Situações Sociais Temidas

A idéia por trás desta categoria é distinguir entre o número de situações sociais que uma pessoa teme. Desta forma, você obtém 3 tipos diferentes de ansiedade social:

  • Transtorno de Ansiedade Social Generalizado: Medo em praticamente todas as situações sociais.
  • Transtorno de Ansiedade Social Não Generalizado: Medo em um número limitado de situações sociais com pelo menos uma área de funcionamento social normal.
  • Transtorno de Ansiedade Social Específico / Circunscritivo: Medo em apenas uma ou muito poucas situações sociais específicas.
Com base no número de situações sociais temidas, uma pessoa sofre de transtorno de ansiedade social generalizado, não generalizado ou circunscrito.

Vamos dar uma olhada rápida em cada um deles.

Transtorno de Ansiedade Social Generalizado

As pessoas afetadas pela ansiedade social generalizada experimentam medo em praticamente todas ou na maioria das situações sociais (Associação Psiquiátrica Americana, 2013).

Este tipo de ansiedade social geralmente começa na primeira infância, normalmente antes dos 10 anos de idade (Mannuzza et al., 1995).

As pessoas com TAS generalizado tendem a ter um temperamento tímido e ansioso, especialmente quando confrontadas com novas situações, experiências e pessoas.

Este tipo de temperamento também é chamado de inibição comportamental (Kagan, Reznick, & Snidman, 1987).

Comparado ao TAS não generalizado, as pessoas com TAS generalizado têm uma chance maior de sofrer de condições adicionais de saúde mental, tais como depressão ou transtorno de ansiedade generalizada (Kessler, Stein, & Berglund, 1998).

Além disso, as pessoas afetadas por este tipo de ansiedade social geralmente apresentam maiores dificuldades para viver uma vida “normal” e freqüentemente relatam ter membros da família com um temperamento similarmente inibido (Stein et al., 1998).

Portanto, o componente genético do TAS generalizado parece ser mais proeminente do que para o TAS não generalizado.

Transtorno de Ansiedade Social Não Generalizado

O termo ansiedade social não generalizada é usado para se referir a qualquer tipo de TAS em que a pessoa afetada mantém pelo menos um domínio de funcionamento social normal (Heimberg, Holt, Schneier, Spitzer, & Liebowitz 1993).

Isto significa que a gama de pessoas que se enquadram nesta categoria é muito ampla. Algumas sofrem de ansiedade em quase todos os ambientes sociais, enquanto outras a experimentam apenas em muito poucas e específicas situações.

Em geral, as pessoas com TAS não generalizado têm menos deficiência funcional do que as pessoas com TAS generalizado.

Ou seja, muitas pessoas com ansiedade social não generalizada são capazes de manter o emprego, buscar relacionamentos românticos, ter amigos próximos, e assim por diante.

Este não é geralmente o caso do TAS generalizado, que tende a atingir ainda mais os que sofrem à medida que sua ansiedade social se insinua em todas as áreas de suas vidas.

Se você estiver interessado nos efeitos negativos que a ansiedade social freqüentemente tem sobre os que sofrem, clique aqui para ir ao nosso artigo que discute as dez conseqüências mais graves do TAS.

Transtorno de Ansiedade Social Circunscrito (Específico)

A ansiedade social circunscrita (também: ansiedade social específica) é experimentada por pessoas que temem apenas uma ou muito poucas situações sociais específicas.

Entre as pessoas com TAS, a ansiedade de falar em público é extremamente comum. Os indivíduos que se preocupam apenas com tais cenários seriam classificados neste tipo de TAS.

Circumscribed social anxiety means that a person experiences SAD symptoms only in very few, specific social situations.

Em comparação com o TAS generalizado, o componente genético associado à ansiedade social circunscrita não é tão eminente. Ele também tende a começar um pouco mais tarde, geralmente durante a puberdade (Mannuzza et al., 1995).

Também é mais provável que pessoas com este tipo de ansiedade social relatem experiências sociais traumáticas que marcaram o início de sua fobia social (Öst, 1985).

Por exemplo, muitas pessoas relatam ser ridicularizadas nas aulas ou uma memória específica de serem intimidadas.

As pessoas com TAS circunscrito podem se sentir confiantes na maioria das situações sociais e seus amigos e conhecidos muitas vezes não esperariam que eles lutassem com medos sociais significativos.

Categoria II: Tipos de Situações Sociais Temidas

Outra sugestão sobre como distinguir os que sofrem do TAS é baseada no tipo de situações que eles temem (Spokas & Cardaciotto, 2014). Aqui, a quantidade de cenários sociais temidos não é um fator determinante.

Esta categoria diferencia entre os três tipos de ansiedade social a seguir:

  • Ansiedade em situações de desempenho
  • Ansiedade em situações de interação
  • Ansiedade em situações de observação

Ansiedade social em situações de desempenho

Temores de desempenho são muito comuns em pessoas com transtorno de ansiedade social (Eng et al., 2000).

Algumas pessoas parecem sofrer apenas de medo de desempenho, como é o caso da maioria das pessoas com ansiedade de falar em público.

Para este grupo de pessoas, ser observado enquanto não se apresenta diante de um público não é problema algum (Spokas & Cardaciotto, 2014). Isto também se aplica a situações que exigem que eles interajam com outros.

Em comparação com os outros dois tipos nesta categoria, os indivíduos com pura ansiedade de desempenho são menos prejudicados, sofrem menos de distúrbios mentais adicionais e são menos evitáveis socialmente (Knappe et al., 2011).

Entretanto, quando confrontado com uma tarefa de fala, este subgrupo de pessoas com TAS tende a experimentar mais ansiedade e reagir com mais força fisiológica, como por exemplo, experimentar aumento do ritmo cardíaco, falta de ar, aumento da sudorese, etc. (Tran & Chambless, 1995Boone et al., 1999).

Semelhante ao TAS circunscrito mencionado acima, indivíduos com apenas medo de desempenho relatam freqüentemente ter vivenciado uma situação traumática de desempenho que desencadeou seu TAS (Stemberger, Turner, Beidel, & Calhoun, 1995).

Além disso, outras equipes de pesquisa encontraram semelhanças nas reações fisiológicas de pessoas com TAS limitado e distúrbios de pânico, e identificaram que, em muitos casos, um ataque de pânico precedeu o início de seus medos de desempenho (Hofmann, Ehlers, & Roth, 1995Nardi et al., 2009).

Deve-se notar que os medos de desempenho são muito comuns entre as pessoas com ansiedade social.

O tipo de ansiedade social de “apenas desempenho” é caracterizado pela experiência de medos de desempenho apenas e uma ausência geral de medos sociais relacionados a outras situações (Eng et al., 2000).

Ansiedade Social em Situações de Interação e Observação

Embora alguns especialistas tenham proposto diferenciar entre medo de interação e medo de situações de observação, parece haver uma sobreposição significativa entre os dois tipos (Cox, Clara, Sareen, & Stein, 2008Ruscio et al., 2008).

Ou seja, uma maioria esmagadora de pessoas que experimentam o medo de situações de interação, como conversar com colegas de trabalho ou uma pessoa pela qual são atraídas, também temem situações de observação, como ser observado enquanto come, bebe ou escreve.

Esta relação é bidirecional, o que significa que dificilmente há pessoas que sofrem de TAS que se enquadram em apenas uma das duas categorias.

Além disso, a maioria das pessoas que temem situações de interação e observação também temem situações de desempenho. Veja o gráfico a seguir para entender como elas tendem a ocorrer e como se relacionam umas com as outras.

Enquanto as pessoas que temem situações de observação geralmente também temem situações de interação e vice-versa, há muitas pessoas que experimentam ansiedade relacionada apenas a situações de desempenho.

Os pesquisadores e especialistas ainda não têm certeza se as situações de observação e interação devem ser agrupadas separadamente ou em conjunto, e se esses especificadores são ou não úteis.

Vejamos a última forma de subagrupamento, que examina o foco dos medos sociais.

Categoria III: Foco dos Medos Sociais

A maioria das pessoas com fobia social está excessivamente preocupada em se comportar de uma forma que conduza a uma avaliação negativa e rejeição.

No entanto, parece haver dois grandes desvios desta característica central aparente do TAS (Spokas & Cardaciotto, 2014).

Um se refere ao subconjunto de portadores do TAS, cujo medo predominante está mostrando sinais físicos observáveis de ansiedade, enquanto o outro se refere àqueles que estão principalmente preocupados com a possibilidade de ofender os outros.

Isto significa que esta categoria é composta dos três tipos seguintes:

  • Foco na ansiedade social: comportamento inepto
  • Foco na ansiedade social: sintomas de ansiedade observáveis
  • Foco na ansiedade social: ofender os outros

Vamos examinar estes três tipos de focos de ansiedade social.

Foco em Ansiedade Social: Comportamento

O medo de agir de uma forma que possa levar a uma avaliação negativa, rejeição, desaprovação ou humilhação é freqüentemente considerado a característica cardinal do TAS (Spokas & Cardaciotto, 2014).

E de fato, a maioria das pessoas com TAS descreve sua principal preocupação como comportando-se de forma inapropriada.

Os indivíduos podem se preocupar em dizer algo bobo, cometer um erro ou se comportar de uma maneira socialmente incômoda.

Para eles, o que eles fazem é considerado o principal motivo de preocupação.

Por esta razão, eles vigiam de perto seu próprio comportamento e podem até mesmo planejar conversas inteiras com antecedência para garantir que não digam nada que possa ser considerado bobo ou tolo.

Foco na Ansiedade Social: Sintomas de Ansiedade Observável

Uma proporção considerável de pessoas com o relatório do TAS mostrando sinais observáveis de ansiedade como seu principal medo (Bögels and Reith, 1999).

Dependendo do indivíduo, a principal preocupação pode ser reações físicas, como suor, rubor ou tremor.

Para outros, pode ser a falta de ar ou o medo de sua voz rachar.

Muitas vezes, o medo de que a reação física apareça desencadeia o início do sintoma.

Quando isso acontece, os indivíduos afetados tendem a ficar ainda mais ansiosos ou podem se sentir constrangidos, o que pode intensificar ainda mais suas reações físicas.

Desta forma, pode surgir um círculo vicioso que pode levar a altos níveis de ansiedade e evitar situações em que os sintomas possam surgir.

Tem sido sugerido que o aumento da atenção auto-focalizada exacerba as respostas fisiológicas, como o rubor (Bögels, 2006).

Indivíduos que temem mostrar sintomas de ansiedade física freqüentemente relatam experiências traumáticas relacionadas, tais como serem provocados pela apresentação desses sintomas (Mulkens and Bögels, 1999).

Outros podem ter condições médicas adicionais que causam seus sintomas físicos (Bögels et al., 2010).

Por exemplo, a rosácea (condição de pele que causa vermelhidão), hiperidrose (suor excessivo), ou tremor essencial (tremor involuntário, muitas vezes nas mãos), pode levar as pessoas afetadas a temer exibir as manifestações físicas de suas condições em determinadas situações sociais.

Para saber como melhor lidar com os sintomas físicos da ansiedade social, clique aqui para ser levado ao nosso artigo descrevendo estratégias apropriadas.

Foco na Ansiedade Social: Ofendendo os outros [Também: Taijin Kyofusho]

Enquanto os tipos de ansiedade social descritos até agora estão principalmente preocupados com a impressão que se deixa nos outros, este subtipo está principalmente preocupado com a possibilidade de ofender os outros e o esforço para evitar que isso aconteça.

Na cultura japonesa e coreana, este tipo de ansiedade social é difundido e é conhecido como Taijin Kyofusho (対人恐怖症).

Ele descreve um medo persistente e excessivo de ofender os outros em situações sociais (Vriends, Pfaltz, Novianti, & Hadiyono, 2013).

Neste subtipo de TAS, o medo social se concentra em fazer algo que é embaraçoso para os outros, em vez de fazer algo que é embaraçoso para si mesmo (Iwase et al., 2000).

Tem sido sugerido que este fenômeno está relacionado a culturas coletivistas que enfatizam a harmonia social e a interdependência (Rector, Kocovski, & Ryder, 2006).

Entretanto, tem sido demonstrado que pessoas nas culturas ocidentais que defendem os mesmos valores também podem apresentar sintomas deste tipo (Dinnel, Kleinknecht, & Tanaka-Matsumi, 2002).

Foi sugerido que o medo de ofender os outros poderia ser atribuído ao medo central do TAS de avaliação negativa, pois perturbar os outros aumenta o risco de ser rejeitado e desaprovado (Magee, Rodebaugh, & Heimberg, 2006).

Ótimo, agora você tem uma compreensão muito boa dos tipos básicos de ansiedade social. A seguir, vamos cobrir algumas fobias específicas que incluem medos e ansiedade em várias situações sociais diferentes.

Tipos específicos de Fobias e Sindromes relacionados à Ansiedade Social

Em alguns casos, os medos sociais de uma pessoa são restritos a uma situação social muito específica e só são vivenciados nestes ambientes.

De acordo com a primeira categoria descrita acima, os indivíduos que atendem a estes critérios se qualificariam como tendo ansiedade social circunscrita (também chamada de específica).

Nesta seção, discutiremos brevemente algumas das fobias específicas mais comuns que se enquadram sob o guarda-chuva do distúrbio da ansiedade social.

Glossofobia: Ansiedade de falar em público

O termo glossofobia, também ansiedade de falar em público, é usado para se referir a um medo intenso de falar na frente de outras pessoas.

A glossofobia é generalizada e é considerada um subtipo do TAS (Pull, 2012). A maioria das pessoas com TAS generalizado é afetada por ela.

No entanto, mesmo pessoas sem fobia social muitas vezes lutam contra este tipo específico de medo.

Os indivíduos afetados tendem a experimentar reações fisiológicas e psicológicas exageradas quando falam diante de um público.

Erythrophobia: O medo do rubor facial

O rubor facial é uma reação fisiológica que geralmente acompanha sentimentos de constrangimento e funciona como um sinal social, sinalizando que estamos conscientes de que nos comportamos de uma maneira socialmente inaceitável.

Entretanto, quando o sintoma excede os limites normais de expressão emocional socialmente aceita, as pessoas podem facilmente ter medo desta reação (Laederach-Hofmann, Mussgay, Büchel, Widler, & Rüddel, 2002).

A eritrofobia é um fenômeno comum em adolescentes que tende a diminuir com a idade. No entanto, nem sempre é este o caso.

Muito poucas pessoas procuram tratamento pelo medo de corar, em parte porque há um forte estigma ligado a ele e porque seu médico de atendimento primário pode não levá-lo a sério o suficiente ou não estar ciente das opções de tratamento disponíveis.

Hiper-hidrose e o medo de suar em público

A hiperidrose – suor excessivo – é bastante comum em pessoas com ansiedade social, com cerca de uma em cada quatro pessoas com TAS afetadas (Davidson, Foa, Connor, & Churchill, 2002).

Na maioria destes casos, o aumento do suor é percebido como um motivo potencial para o escrutínio, desencadeando sentimentos de ansiedade social, causando considerável angústia e muitas vezes incapacidade (Nahaloni & Iancu, 2014).

Os especialistas ainda não têm certeza se a hiperidrose é o resultado de disfunção da glândula sudorípara, aumento da excitação emocional em situações sociais ou uma combinação de ambas.

No entanto, foi demonstrado que o aumento da transpiração parece diminuir o limiar para o desenvolvimento da ansiedade social (Nahaloni & Iancu, 2014).

Ansiedade de desempenho & Medo do Platéia

A ansiedade de desempenho é um fenômeno perfeitamente normal, especialmente se o desempenho estiver sendo avaliado por um público potencialmente julgador (Bögels & Lamers, 2002).

A avaliação de outros resulta freqüentemente em conseqüências importantes para um indivíduo, o que pode intensificar os sentimentos de ansiedade (Bancroft, 2009).

Por exemplo, dependendo do desempenho de um atleta em um ponto crítico durante uma competição, eles podem ser avaliados favoravelmente ou negativamente.

Isto significa que o atleta corre o risco de ser avaliado negativamente por seus companheiros de equipe, seu treinador, seus fãs e até por eles mesmos (Rowland & van Lankveld, 2019).

Possíveis conseqüências de tal avaliação negativa podem incluir companheiros de equipe decepcionados, menos tempo de jogo no próximo jogo, maior pressão por parte dos torcedores, não renovação de seu contrato com a equipe e menor autoconfiança, só para citar alguns.

A perspectiva destas possíveis conseqüências pode, compreensivelmente, causar ansiedade, e esta ansiedade pode, por sua vez, ter um impacto negativo em seu desempenho.

As pessoas que sofrem de medo severo no estágio costumam ter essa experiência, o que as leva a sentir ainda mais ansiedade em situações de desempenho que podem ser críticas para elas.

Ansiedade de Desempenho Sexual

A ansiedade de desempenho sexual está intimamente relacionada ao medo do platéia, na medida em que geralmente é desencadeada pelo medo das possíveis conseqüências negativas de um desempenho inadequado.

Especialmente nos estágios iniciais de um relacionamento, a atividade sexual é freqüentemente associada à avaliação e suas conseqüências potenciais.

Ambas as partes podem estar preocupadas com as expectativas e percepções de seu parceiro, e temem que não só se sintam embaraçadas e envergonhadas se não desempenharem “adequadamente”, mas que seu próprio relacionamento possa ser danificado ou colocado em risco (Rowland & van Lankveld, 2019).

A perspectiva de tais conseqüências negativas pode facilmente levar à ansiedade, e a ansiedade está associada à deficiência sexual (Dèttore, Pucciarelli, & Santarnecchi, 2013van den Hout & Barlow, 2000).

Isto, é claro, pode criar um ciclo vicioso no qual conseqüências negativas levam a ainda mais preocupações sobre o desempenho sexual “apropriado” em encontros sexuais futuros.

Ansiedade em Namoro e Ansiedade Heterossocial

Enquanto o termo ansiedade em namoro é auto-explicativo, a ansiedade heterossocial se refere ao medo em situações sociais que envolvem ambos os sexos (Glickman & La Greca, 2004).

No entanto, este termo exclui pessoas que são atraídas por pessoas de seu próprio sexo. Portanto, gostaríamos de ressaltar que aqui estamos nos referindo à ansiedade que ocorre quando interagimos com pessoas do sexo para o qual somos atraídos.

Tanto na ansiedade em namoro quanto na ansiedade heterossocial, a resposta à ansiedade pode ser desencadeada por um descompasso entre o desejo de causar uma impressão positiva e o medo de não ser capaz de fazê-lo.

Especialmente em pessoas que colocam muita ênfase na conquista de um parceiro potencial e que ao mesmo tempo sofrem de baixa autoconfiança, isto pode levar a fortes sentimentos de ansiedade social ao namorar ou em outras situações heterossociais.

Se você for afetado pela ansiedade em namoro, você pode clicar aqui para ir ao nosso artigo sobre namoro com ansiedade social, que inclui 15 dicas úteis para encontros mais agradáveis.

Parurese: Síndrome da Bexiga Tímida

A parurese é a incapacidade de urinar em situações que podem envolver ser escrutinado por outros (Prunas, 2013). Também é freqüentemente referida como síndrome da bexiga tímida.

As pessoas afetadas muitas vezes se preocupam em parecer constrangedoras ou inseguras se não podem “soltar” na presença de outros.

Como a ansiedade subjacente pode ser rastreada a preocupações sobre ser julgada ou avaliada negativamente, ela é classificada como um tipo de distúrbio de ansiedade social (Associação Psiquiátrica Americana, 2013).

Parcopresis: Síndrome do Cólon Tímido

Semelhante à síndrome da bexiga tímida, o parcopresis descreve a incapacidade e/ou dificuldade de ter movimentos intestinais em banheiros públicos ou de outra forma na presença de outros, movidos pelo medo de avaliação negativa e indesejada por outros (Knowles & Skues, 2016).

A síndrome do intestino tímido está associada a um sofrimento psicológico significativo nos indivíduos afetados e tende a diminuir a qualidade de vida em geral (Kuoch, Austin, & Knowles, 2019).

Sentimentos de embaraço e vergonha, bem como um forte estigma, muitas vezes dificultam a busca de tratamento.

Síndrome de Referência Olfatória: Medo de cheirar mal

As pessoas que sofrem de síndrome de referência olfativa estão convencidas de que emitem um odor desagradável (Pryse-Phillips, 1971).

Os sintomas típicos incluem lavagens repetidas, trocas freqüentes de roupas, uso excessivo de desodorantes e perfumes, e restrições de viagem e vida social.

Além disso, as pessoas com esta condição são freqüentemente convencidas a receber um feedback negativo de outros sobre seu odor, tais como gestos negativos ou mesmo observações.

A síndrome de referência olfativa muitas vezes faz com que os sofredores se esforcem muito para reduzir seu odor corporal e passam grande parte de seu tempo se preocupando com seu odor quando estão com outros (Begum & McKenna, 2011).

Ansiedade de Contato Visual

Como já assinalamos, o TAS é caracterizado por um medo excessivo de ser julgado, avaliado negativamente, ou rejeitado.

Acredita-se que o contato visual direto pode desencadear este medo e que as pessoas socialmente ansiosas, portanto, tentam evitá-lo o máximo possível (Schneier, Rodebaugh, Blanco, Lewin, & Liebowitz, 2011).

De uma perspectiva evolutiva, esta poderia ser uma estratégia adaptativa, pois sinaliza aos outros que não se é uma ameaça e adota voluntariamente uma posição submissa.

Do ponto de vista de uma pessoa socialmente ansiosa, evitar o contato visual com os superiores no sistema de classificação social garante que eles não ficarão chateados e possivelmente os atacarão e os rejeitarão (Gilbert, 2001).

Ao evitar o olhar dos outros, eles podem perder status na hierarquia social, mas não correm o risco de serem completamente rejeitados e excluídos.

Escopofobia: O Medo de Ser Olhado

Assim como a ansiedade de contato visual, o medo de ser encarado pode ser explicado pelo medo subjacente de ser julgado e rejeitado, a marca registrada do distúrbio de ansiedade social.

Se este medo é excessivo, também é chamado de escopofobia (Stanborough, 2020).

De uma perspectiva evolucionária, ser encarado pode sinalizar um perigo potencial. Se formos encarados de forma crítica por outros ou simplesmente encarados por um longo período de tempo, o cérebro humano percebe uma ameaça social e soa o alarme.

Por esta razão, algumas pessoas ficam ansiosas com o simples pensamento de serem encaradas ou de serem observadas criticamente.

Deipnofobia: Medo de Comer e/ou Beber em Público

Um número significativo de pessoas experimenta sentimentos de ansiedade e intensa insegurança ao comer ou beber em público.

O medo excessivo de comer em público também é conhecido como deipnofobia (Rittenhouse, 2021).

Alguns podem temer ir sozinhos a um restaurante porque pensam que outros podem achar que são estranhos ou que não têm amigos, enquanto outros têm medo de ter que falar com seus companheiros ou que outros notarão seus apertos de mão.

Se o medo resulta da preocupação de ser avaliado ou julgado negativamente, é considerado uma forma de ansiedade social.

Bibliofobia: Medo de ler em público

Muitas pessoas que temem ler em voz alta para outras tiveram uma experiência social traumática que causou o início de seu medo excessivo.

Se você gostaria de saber mais sobre o medo de ler em voz alta, clique aqui para ser levado ao nosso artigo sobre este fenômeno, que discute causas e remédios.

Escriptofobia: Medo de escrever em público

Assim como algumas pessoas têm medo de comer em público, porque outras podem notar suas mãos tremendo, outras podem ter medo de escrever em público.

Entretanto, se a pessoa tiver medo de colocar seu nome em um contrato, o medo subjacente é provavelmente de natureza diferente. Neste caso, não falaríamos de fobia social.

Para ser classificada como uma forma de ansiedade social, a ansiedade subjacente deve ser baseada no medo de ser avaliada negativamente por outros.

Note que esta lista não é, de forma alguma, exaustiva. Em geral, se uma pessoa tem ansiedade excessiva sobre um ou mais cenários sociais específicos e a principal preocupação é ser avaliada negativamente, julgada ou rejeitada, é muito provável que seja um tipo específico de ansiedade social.

Entretanto, vários critérios devem ser atendidos para que se possa receber um diagnóstico. Se você quiser saber mais, clique aqui para ir ao nosso artigo sobre os critérios de diagnóstico do TAS.


Pegue | Compartilhe | Siga


Mostrar Referências