Como ajudar um estudante com ansiedade social?

O transtorno da ansiedade social (TAS), o medo excessivo de ser julgado e humilhado, é um fenômeno tristemente comum entre os estudantes.

Enquanto cerca de 6% das crianças são afetadas pela condição (Chavira, Stein, Bailey, & Stein, 2004Ruscio, Brown, Chiu, Sareen, Stein, & Kessler, 2008), os números aumentam rapidamente com o início da puberdade, com o transtorno atingindo o pico por volta dos 12 anos de idade (Kessler et al., 2005).

Um estudo realizado em 2017 por Mekuria e colegas constatou que até 27,5% dos alunos regulares da 11ª e 12ª séries preenchiam os critérios diagnósticos completos para o TAS.

Embora os casos neste estudo específico fossem particularmente altos e pudessem variar entre países, pode-se supor que uma sala de aula de vinte adolescentes ou jovens adultos inclua entre dois a cinco alunos com medos sociais marcados.

Social anxiety is very common in students. Teachers need to be aware of this in order to provide the right learning environment.

A ansiedade social, também chamada de fobia social, não se refere ao traço de personalidade da introversão nem aos sentimentos de insegurança que são comumente experimentados pela maioria dos adolescentes.

Em vez disso, eles descrevem uma condição de saúde mental que precisa ser levada a sério e requer atenção especial.

Muitos pais subestimam a extensão do dilema de seus filhos (Masia, Klein, Storch, & Corda, 2001). Ao contrário da crença popular, a maioria das crianças afetadas não cresce naturalmente a partir dessas preocupações excessivas.

A incapacidade de identificar o distúrbio e intervir em idade precoce pode ter efeitos prejudiciais para a saúde mental dos estudantes.

Se não for tratada, o TAS tende a ter um curso crônico durante toda a vida (Yonkers, Dyck, & Keller, 2001Yonkers, Bruce, Dyck, & Keller, 2003) e freqüentemente leva a condições adicionais de saúde mental, tais como depressão e abuso de substâncias (Wittchen, 2000Sonntag, Wittchen, Höfler, Kessler, & Stein, 2000).

Este guia abrangente é direcionado a professores e docentes de alunos socialmente ansiosos.

Cobriremos advertências importantes relacionadas à ansiedade social no âmbito acadêmico e forneceremos estratégias úteis e práticas para ajudar os estudantes afetados a prosperar e potencialmente reduzir seus medos sociais ao longo do caminho.

Ansiedade social nos estudantes: Uma introdução

A principal característica do transtorno de ansiedade social é a preocupação excessiva de ser avaliado negativamente, julgado ou rejeitado em ambientes sociais (Associação Psiquiátrica Americana, 2013).

Como você pode imaginar, a adolescência representa um capítulo especialmente difícil para os indivíduos afetados, dado que o reconhecimento, o respeito e a aceitação entre os pares desempenham um papel crucial durante esta fase de desenvolvimento.

O medo de ser julgado muitas vezes leva os adolescentes com TAS a esconder sua condição (Ryan & Masia Warner, 2012). Isto, por sua vez, tende a aumentar suas preocupações de serem descobertos e pode levar a um ciclo vicioso e auto-reforçador.

Como resultado, a fobia social normalmente leva a uma deficiência funcional significativa.

Entre as conseqüências mais comuns a curto prazo estão (Beidel, Turner, Morris, 1995Beidel, Turner, Morris, 1999Connolly & Bernstein, 2007):

  • menos amigos e amizades menos satisfatórias,
  • evitar interações sociais (tais como iniciar conversas, participar de clubes ou equipes esportivas),
  • abstendo-se de se envolver em atividades em sala de aula (trabalho em grupo, responder a perguntas, etc.).

Como já mencionamos anteriormente, as conseqüências a longo prazo podem ser prejudiciais, com pessoas afetadas frequentemente desenvolvendo depressão, abuso de substâncias ou outros distúrbios de saúde mental (Kessler, Stang, Wittchen, Stein, & Walters, 1999; Wittchen, 2000; Sonntag, Wittchen, Höfler, Kessler, & Stein, 2000).

Também é digno de nota o número notavelmente grande de tentativas suicidas em pessoas com TAS e depressão simultâneas (Wunderlich, Bronisch, & Wittchen, 1998).

Estatísticas de comportamento suicida em pessoas com transtorno de ansiedade social e depressão concomitante.

Equipado com estas informações, você pode assumir que existem programas médicos estabelecidos que selecionam o TAS durante a infância e o início da adolescência.

Entretanto, a condição ainda é largamente negligenciada, permanece subdiagnosticada e, portanto, não é tratada quase o suficiente (Pöhlmann, Döbbel, Löffler, Israel, & Joraschky, 2009).

Na verdade, menos de 20% dos adolescentes com distúrbios de ansiedade recebem tratamento profissional para sua condição (Merikangas et al., 2011).

A ansiedade social faz com que muitos estudantes abandonem prematuramente a escola, não sigam uma carreira acadêmica e fiquem abaixo de seu potencial profissional em grande escala (Van Ameringen, Mancini, & Farvolden, 2003).

Dado que os estudantes passam a maior parte do tempo na escola ou universidade, um ambiente intrinsecamente social, estas instituições representam um fator crucial em relação ao desenvolvimento, manutenção e melhoria potencial do TAS de seus estudantes.

Trabalhando diariamente com estas crianças, os educadores devem levar em conta a luta potencial que seus estudantes podem estar passando e ser flexíveis com sua metodologia, ajustando-a às particularidades dos estudantes afetados.

Assim, você como professor pode ter um impacto decisivo, não apenas nas realizações acadêmicas de seus alunos, mas também no desenvolvimento de suas habilidades sociais, sua saúde mental e sua satisfação de vida em geral.

Isto não quer dizer que você, como professor, deve assumir o papel de terapeuta dos alunos.

No entanto, contar com ferramentas e estratégias práticas que lhe permitam ajustar o ambiente de aprendizagem de forma a permitir que seus alunos socialmente ansiosos participem ativamente e prosperem é inestimável.

Vejamos a importância das escolas, universidades e educadores para este assunto.

O papel crucial das escolas e dos professores

A natureza social inerente do TAS faz do tratamento em grupo uma intervenção ideal para pessoas com fobia social.

Considerando que os sintomas de insegurança surgem em ambientes naturais e cotidianos, os terapeutas normalmente tentam recriar tais situações sociais com seus pacientes.

Entretanto, esta pode ser uma tarefa desafiadora no contexto clínico, já que os diagnósticos dos pacientes muitas vezes diferem e a programação entre os clientes muitas vezes resulta difícil (Ryan & Masia Warner, 2012).

Além disso, tais oportunidades só se aplicam àqueles que são identificados como portadores de TAS e devidamente diagnosticados como tal.

Como já assinalamos anteriormente, a maioria dos casos de estudantes afetados ainda são negligenciados (Kashdan & Herbert, 2001), o que significa que raramente recebem ajuda profissional (Essau, Conradt, & Petermann, 1999).

Como as escolas e universidades geralmente contêm muitos estudantes socialmente ansiosos e inevitavelmente provocam situações que causam angústia social, as chances de identificar os indivíduos afetados neste ambiente são bastante boas.

Além disso, as escolas e universidades oferecem um cenário ideal para uma abordagem de tratamento da ansiedade social no mundo real (Ryan & Masia Warner, 2012). Por exemplo, os estudantes podem praticar cenários comumente evitados, como por exemplo:

  • participar das aulas (fazer ou responder perguntas, compartilhar sua opinião, etc.),
  • interagir com figuras de autoridade (professores e professores),
  • socializar com seus pares,
  • comer ou beber em público,
  • fazer apresentações,
  • ler em voz alta diante de grupos maiores, entre outras situações.

Os especialistas acreditam que intervenções realizadas em cenários do mundo real podem melhorar a eficácia do tratamento e seus ganhos podem passar mais facilmente para outros domínios da vida (Ryan & Masia-Warner, 2012).

Educar os professores sobre fobia social, bem como capacitá-los a fazer referências frutíferas de tratamento para seus alunos, pode levar a um aumento muito necessário nas intervenções bem sucedidas.

Vamos dar uma olhada em alguns sinais que poderiam indicar que um de seus alunos pode sofrer de ansiedade social.

Como Identificar a Ansiedade Social nos Estudantes?

Dada a natureza da desordem, os alunos socialmente ansiosos normalmente seguem instruções e se mantêm em silêncio durante as aulas.

Como eles não tendem a ser interruptivos, pode ser um desafio detectar os sinais de ansiedade social na sala de aula (Ryan & Masia Warner, 2012).

Isto, é claro, diferencia o TAS dos transtornos de comportamento, que muitas vezes são aparentes imediatamente.

Como já mencionamos anteriormente, os estudantes com fobia social geralmente tentam esconder sua insegurança. Portanto, você pode ver um rosto feliz, que pode funcionar como um disfarce para a experiência interna de medo e insegurança.

Os seguintes fenômenos podem ser vistos como primeiros indicadores de que um estudante pode sofrer de ansiedade social:

  • O estudante é excepcionalmente calmo e não participa ativamente das atividades em sala de aula.
  • O estudante fica principalmente para si mesmo e não se envolve com os colegas durante os intervalos.
  • O estudante normalmente usa seu smartphone enquanto seus colegas socializam.
  • O estudante permanece passivo quando os subgrupos estão sendo formados.
  • O estudante evita contato direto com os olhos ou o mantém apenas por breves momentos.
  • O aluno “desaparece” durante a aula – seja fisicamente ou evitando a participação.
  • Quando os alunos falam durante a aula, as respostas são mantidas tão breves quanto possível.
  • O aluno fica notavelmente irritado antes e durante as apresentações (ou situações similares de desempenho).
  • O aluno exibe sinais físicos de excitação e ansiedade ao ser o centro das atenções (voz trêmula, mãos trêmulas, rubor facial, suor, falta de ar, etc.).
  • O aluno tem dificuldade de se concentrar na tarefa que tem em mãos ao ser observado (aumento da autoconsciência).
  • O aluno deixa a classe para usar o banheiro quando podem surgir situações de desempenho/observação (“Quem vai ler sua tarefa de casa para a classe?”)
  • Há uma forte discrepância entre a não-participação do aluno durante a aula e a qualidade de suas tarefas escritas.

Tenha em mente que existe um subtipo “somente desempenho“, que se refere a indivíduos que só experimentam ansiedade social durante situações de desempenho.

Isto significa que alguns alunos podem ser borboletas sociais, mas ficam sobrecarregados e congelados quando têm que apresentar algo para o grupo.

Embora tal constrangimento social possa ser incaracterístico para estes estudantes, é importante levar a sério sua súbita reação de ansiedade.

Agora que você tem uma idéia geral de como a ansiedade social pode se manifestar em seus alunos, vamos dar uma olhada em algumas estratégias práticas que você pode empregar para ajudá-los a prosperar nas aulas.

Estratégias para ajudar os estudantes com ansiedade social

As seguintes ferramentas e estratégias são recomendações gerais para professores que suspeitam que um ou vários de seus alunos sofrem de fobia social.

Tenha em mente que cada pessoa é diferente, o que significa que você deve monitorar de perto os efeitos que sua metodologia pode ter sobre cada indivíduo.

Lembre-se também de que você é o professor da criança, não o terapeuta deles. Suas intervenções devem estar alinhadas com seu papel como educador.

Dito isto, vamos dar uma olhada em algumas dicas úteis para trabalhar com grupos que contenham alunos com ansiedade social.

(1) Não deduza que o aluno está desinteressado em sua classe.

É natural supor que aqueles que não participam de uma conversa não estejam interessados nela. Entretanto, este não é necessariamente o caso.

As pessoas socialmente ansiosas freqüentemente sofrem por serem julgadas como distantes, reservadas, arrogantes ou desinteressadas. No entanto, na maioria dos casos, isto não poderia estar mais longe da verdade.

Se você supõe que um de seus alunos pode sofrer de ansiedade social, você também pode supor que eles participariam mais ativamente das aulas, se não fossem inibidos por seus medos sociais.

(2) Tenha cuidado ao pôr o estudante numa situação delicada.

Muitas pessoas com fobia social temem ser o centro das atenções. Tenha em mente que comparecer às aulas é um grande passo para a maioria dos alunos com TAS.

Tenha cuidado com quem você coloca no local. Enquanto alguns estudantes podem precisar deste tipo de estímulo, aqueles com ansiedade social podem começar a temer sua classe e ficar em casa como resultado.

Em vez disso, procure maneiras que eles possam escolher para participar se se sentirem à altura da tarefa.

(3) Facilite a discussão de uma forma que permita a participação do estudante.

Em cada grupo você tem indivíduos que falam muito e você tem aqueles que permanecem em silêncio a maior parte do tempo.

Sua tarefa como professor é liderar as discussões de uma forma que permita aos alunos mais tímidos participar ativamente do processo.

Às vezes, os alunos com TAS não têm certeza se devem ou não fazer uma pergunta ou expressar sua opinião. Então, um dos extrovertidos começa a falar e o aluno socialmente ansioso decide ficar quieto, mais uma vez.

Certifique-se de dar espaço para a participação daqueles que normalmente permanecem mudos, deixando-os saber que sua participação é valiosa e desejada.

(4) Faça ao estudante perguntas simples que não exijam respostas extensas.

Alguns estudantes com ansiedade social se beneficiam de serem um pouco empurrados. Se você fizer isto cuidadosamente, poderá aumentar drasticamente a participação dos estudantes.

Por exemplo, fazer perguntas simples ao aluno “sim ou não”, ou se ele concorda ou não com uma idéia específica, pode tornar o processo de falar muito mais fácil.

Uma razão principal para isto não é apenas o leve empurrão que você dá ao estudante, mas também o controle que eles têm sobre a extensão de sua resposta. Se eles se sentirem sobrecarregados, eles podem simplesmente dar uma resposta rápida.

Entretanto, como já assinalamos anteriormente, tenha cuidado com esta estratégia, pois ela pode ser contraproducente em certos indivíduos.

(5) Premeie a participação com um feedback positivo.

Dizer algo, mas não receber nenhum retorno, pode ser doloroso. Você provavelmente sabe isto por experiência própria.

Lembre-se de que os estudantes socialmente ansiosos podem ter dificuldades para falar. Quando o fizerem, certifique-se de responder às suas idéias, mostrando-lhes que você ouviu e está interessado em suas opiniões.

Ao usar tão poucas, mas poderosas recompensas verbais, você condiciona o estudante a repetir este comportamento.

É recomendável fazê-lo mesmo que a participação seja muito breve ou que a resposta do aluno esteja errada. Tenha em mente que o que você está reforçando não são respostas erradas, mas o comportamento de participação pró-ativa na sala de aula.

(6) Incorpore pausas freqüentes e ativas.

O estresse e a ansiedade constante afetam o corpo e a mente.

Imagine estar em alerta constante, mas ter que ficar quieto, fingir que está bem, e ter que se concentrar no que está sendo dito como você pode ser chamado.

Isso é basicamente o que sente a ansiedade social na sala de aula.

Integrar intervalos freqüentes e ativos em suas aulas pode ajudar a reduzir este estado interno de tensão e ansiedade em seus alunos com o TAS.

O cuidado ou a respiração profunda também podem ser benéficos. Entretanto, alguns indivíduos ansiosos podem experimentar a chamada ansiedade induzida pelo relaxamento, que descreve um aumento na excitação após tentativas de relaxar.

Portanto, tenha cautela com este fenômeno.

(7) Divida a classe em subgrupos menores para certas tarefas

A participação em grandes grupos é freqüentemente intimidante para pessoas com fobia social.

Entretanto, reduza o tamanho do grupo e você poderá ver algumas mudanças surpreendentes na maneira como um estudante socialmente ansioso se envolve com a tarefa e seus pares.

Fornecer aos estudantes afetados este ambiente social distinto pode permitir que eles contribuam ativamente para as tarefas e aproveitem seus talentos peculiares.

Ao fazer com que os subgrupos designem uma pessoa para apresentar seu trabalho ao resto da classe, o estudante recebe uma oportunidade adicional de exposição.

Entretanto, certifique-se de que as crianças afetadas sejam as que decidem fazê-lo e que não estejam sendo forçadas pelo resto do grupo a expor seu trabalho.

(8) Não deixe os estudantes formarem subgrupos sozinhos

Ao dividir a classe em vários grupos, não deixe que os alunos formem eles mesmos os grupos.

Por medo da rejeição, os alunos com ansiedade social freqüentemente permanecem passivos quando subgrupos estão sendo formados.

Portanto, é provável que sejam rotineiramente deixados de fora neste processo, o que tende a reforçar sua fobia social.

Em vez disso, certifique-se de escolher um sistema que misture os alunos e acomode cada um deles na sala de aula.

Desta forma, os alunos afetados entram em contato com colegas com os quais talvez nunca tenham interagido e se sintam mais incluídos.

(9) Dirija-se ao tema diretamente com o aluno em um ambiente privado e seguro!

Aproximar-se do aluno e discutir como sua ansiedade social o afeta na sala de aula é uma boa estratégia para muitos indivíduos.

Mas é preciso ter cuidado, pois muitas pessoas afetadas sentem muita vergonha de seu SAD e se sentem envergonhadas quando outros descobrem isso.

Se você sentir que pode falar com o aluno sobre isso, tente fazê-lo de uma forma que não os sobrecarregue.

Escolha um ambiente seguro, onde não haja colegas presentes, e seja cuidadoso e sensível às reações do estudante quando abordar o assunto.

Demonstre ao aluno que você se preocupa com seu bem-estar, suas conquistas acadêmicas e seu futuro, e deixe-o saber que eles têm seu total apoio.

Discuta sua metodologia e pergunte-lhes sobre maneiras de fazê-los se sentirem mais à vontade durante as aulas.

Diga a eles que você não vai colocá-los no local ou criar situações desconfortáveis de propósito.

Ao mesmo tempo, certifique-se de que eles compreendam que o ambiente acadêmico exige ser visto e ouvido e que o aluno precisará se esforçar a partir de seu fim.

Comunique que você está lá para ajudar e que você está aberto para discutir quaisquer questões que possam surgir.

(10) Discuta acordos especiais entre você e o estudante

Em alguns casos, pode ser útil chegar a certos acordos que podem ajudar o aluno a se sentir mais confortável durante a aula e ajudá-los a trabalhar em sua ansiedade social.

Por exemplo, você pode prometer não chamar o aluno se ele não levantar a mão. Em troca, o aluno promete participar pelo menos uma vez a cada aula.

Você também pode criar um sinal que o aluno possa usar sempre que se sentir sobrecarregado, para que você possa ajustar a situação para aliviar sua ansiedade.

Alguns estudantes se beneficiam da permissão de sair da sala de aula sempre que estão sobrecarregados. Tais pausas podem ser encobertas como viagens ao banheiro.

Por último, certifique-se de apresentar uma estratégia para proporcionar ao aluno oportunidades recorrentes de exposição.

Discuta quais situações mais assustam o aluno. Uma vez identificadas, informe ao estudante que você criará estas situações em pequena escala.

Por exemplo, um estudante com medo de ler em voz alta pode se beneficiar do fato de você oferecer oportunidades de ler pequenas partes de um texto. Certifique-se de que o aluno saiba que pode decidir por si mesmo fazê-lo e que não será forçado a fazê-lo.

(11) Estabeleça regras e acordos, assim como um sinal de segurança com toda a classe

Idealmente na primeira classe de um novo ano ou semestre escolar, pergunte aos alunos se eles podem imaginar algum comportamento possível de seus colegas que impediria que eles se sentissem seguros no grupo.

Pergunte-lhes sobre seus valores e o que os faz sentir-se à vontade em ambientes de grupo.

Desta forma, os alunos podem elaborar diretrizes e regras de comportamento que garantam um ambiente de aprendizagem seguro para todos. Uma política de não-bullying deve certamente fazer parte disto.

Certifique-se de que os alunos concordem em não discriminar uns aos outros e em respeitar suas diferenças.

O grupo pode apresentar um sinal que indica que alguém sente que as regras foram quebradas e que pode ser aplicado a qualquer momento.

Desta forma, os estudantes com ansiedade social se sentirão muito mais seguros. Não apenas por causa dos acordos estabelecidos, mas também porque é provável que eles vejam que seus colegas têm suas próprias inseguranças.

(12) Use atividades nas quais os estudantes compartilham vulnerabilidades

De maneira semelhante, você pode incorporar atividades em sala de aula que incentivam os alunos a compartilhar seus pontos fracos, tais como seus medos ou coisas que eles normalmente não compartilham com os outros.

Este tipo de atividade não é adequado para todos os grupos, pois os valentões podem usar as informações divulgadas por seus colegas contra eles.

Entretanto, se você tiver estabelecido regras de conduta e uma política de não-discriminação, os estudantes podem se beneficiar muito de tais atividades.

Para os jovens, pode ser incrivelmente aliviador perceber que seus pares lutam com inseguranças semelhantes a eles mesmos.

Para os estudantes com ansiedade social, esta pode ser uma experiência poderosa, que pode aliviar sua angústia no grupo.

(13) Incentive a exposição gradual

Já mencionamos anteriormente a importância da exposição. O tratamento profissional para distúrbios de ansiedade social geralmente encapsula que o paciente enfrenta as situações sociais temidas de uma forma ou de outra.

Apesar de concordar em facilitar a vida do aluno, é importante que alguma forma de exposição faça parte das atividades da sala de aula.

Ou seja, o estudante precisa entender que enfrentar gradualmente seus medos é uma ferramenta poderosa para diminuir sua ansiedade e seguir em frente.

Estimula o estudante a saltar rotineiramente para dentro da água fria. Eles precisam entender que, para receber o benefício de acordos especiais de seu lado, eles precisam colocar coragem e esforço desde seu fim.

A exposição freqüente e gradual às situações sociais temidas é a maneira mais poderosa de reduzir a ansiedade social dos indivíduos mais afetados.

(14) Encaminhe o aluno a um conselheiro escolar

Se você sentir que a ansiedade social do estudante o ultrapassa, encaminhe-o ao conselheiro escolar ou universitário.

A fobia social é uma condição de saúde mental que muitas vezes requer ajuda profissional. Um bom conselheiro escolar encaminhará o estudante a um psicoterapeuta ou a um centro de tratamento adequado.

Embora isto possa ser inicialmente difícil de digerir para o estudante, é provável que ele seja eternamente grato por seu encaminhamento.

(15) Discuta e aborde a questão com os pais dos alunos

Uma questão comum entre os jovens com transtorno de ansiedade social é que eles mantêm sua condição escondida de seus pais ou que estes não percebem a extensão do problema de seus filhos.

Ambos os cenários podem ter outros efeitos prejudiciais para a saúde mental do estudante.

Se você conseguiu estabelecer uma conexão com o estudante e é capaz de discutir seu TAS abertamente, pergunte-lhes se seus pais sabem ou não sobre sua fobia social e identifique sua posição em relação a ela.

Se o estudante não lhes contou, talvez você queira encorajá-los a fazê-lo. Ofereça ao estudante seu apoio neste assunto.

Se os pais desconsiderarem a ansiedade social de seu filho como insignificante ou como uma fase que passará por si mesma, ofereça ao aluno para marcar um encontro entre você e seus pais para discutir a seriedade do problema.

Para tal reunião, talvez você queira convidar um conselheiro escolar também.

Esperamos que este guia seja de ajuda para você e que você possa oferecer a seus alunos o apoio de que eles necessitam.

Se você tiver qualquer outra pergunta, por favor, deixe seus comentários abaixo. Tentaremos entrar em contato com você o mais rápido possível.

Para saber mais sobre a ansiedade social e as opções de tratamento disponíveis, dirija-se ao nosso guia de tratamento completo e consulte o nosso site.

Nós nos esforçamos para fornecer um recurso abrangente com este website – obrigado por divulgar a palavra!

Pegue | Compartilhe | Siga


Mostrar Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.