Ansiedade social nos estudantes universitários: A Pandemia Negligenciada

Em certa medida, a ansiedade social desempenha um papel importante para todos nós.

A excitação psicossomática – alerta, tremores, suor, etc. – é um sinal de nosso corpo de que é importante que nos comportemos de uma certa maneira, façamos boas impressões e ajudemos os outros a se sentirem confortáveis em nossa presença.

Estes são os mecanismos da coesão social, e nosso sistema nervoso é inteligente para perceber que existe uma ameaça se a coesão não estiver presente.

Entretanto, muitas vezes os níveis de ansiedade se tornam tão altos que realmente começam a trabalhar contra nós, resultando na diminuição do desempenho social e impedindo qualquer tipo de interação social gratificante.

Da mesma forma, a ansiedade pode nos impedir de entrar em situações sociais, ou permanecer por mais tempo do que o necessário durante ou depois.

Nesses casos, podemos considerar que o paciente tem distúrbio de ansiedade social (TAS, também chamado de fobia social).

Como adolescentes e jovens adultos, tendemos a estar menos seguros de nós mesmos – há mais questões em torno de nosso valor como pessoa e de nosso lugar no mundo.

Como estudantes universitários, especialmente, estamos no processo de nos tornarmos independentes da unidade familiar e confiando mais em nossos amigos.

Portanto, naturalmente, para os jovens, as relações sociais são particularmente importantes. Esta importância torna as relações mais gratificantes, mas a ameaça de rejeição é ainda mais punitiva neste momento de nossas vidas (Kilford, Garrett, & Blakemore, 2016).

É por estas razões, como veremos na seção seguinte, que a ansiedade social tem alta prevalência entre os estudantes universitários.

Estatísticas de Ansiedade Social em Estudantes Universitários

Intuitivamente, a maioria das pessoas diz que a ansiedade social é um fenômeno comum nos estudantes universitários.

No entanto, o que a ciência tem a dizer sobre isso? Reunimos investigações relevantes e calculamos a média de suas descobertas.

Levando em conta vários estudos realizados em todo o mundo, cerca de 18% dos estudantes universitários têm transtorno de ansiedade social (fobia social), ou ” ansiedade social marcada a severa”. Isso é quase um em cada cinco estudantes.

Infográfico com Donutchart: Levando em conta vários estudos realizados em todo o mundo, cerca de 18% dos estudantes universitários têm distúrbio de ansiedade social (fobia social), ou "marcada a severa ansiedade social". Isso é quase um em cada cinco estudantes.

No Reino Unido, um estudo realizado em uma grande universidade com um tamanho de amostra de 1007 relatou que cerca de 10% tinham sintomas significativos de ansiedade social (Russell & Shaw, 2009) No entanto, isso foi notavelmente menor do que o observado em outros países.

Por exemplo, estudos das faculdades suecas e turcas constataram que a prevalência do TAS entre os estudantes era de 16,1% e 19,5%, respectivamente (Tillfors & Furmark, 2007Gültekin & Dereboy, 2011).

Em uma universidade etíope, os pesquisadores descobriram que a prevalência de transtorno de ansiedade social era ainda maior, com 26% dos 523 estudantes examinados positivos (Hajure & Abdu, 2020).

Destes 26%, cerca de 70% tinham sintomas leves e 17,4% tinham sintomas moderados.

O estudo também descobriu que as situações mais freqüentemente relatadas que desencadeavam ansiedade social estavam sendo criticadas por outros e freqüentando festas. A conversa com estranhos foi relatada como a situação mais freqüentemente evitada.

A investigação também mostrou que a condição era mais prevalecente nas mulheres.

Nos EUA, quase não há dados sobre a prevalência da ansiedade social em estudantes universitários especificamente.

No entanto, o Instituto Nacional de Saúde Mental dos Estados Unidos estima que 12,1% de todos os adultos com 18 anos ou mais experimentarão fobia social em algum momento de suas vidas (Harvard Medical School, 2007).

Infográfico com gráfico de torta: o Instituto Nacional de Saúde Mental estima que 12,1% de todos os adultos com 18 anos ou mais experimentarão fobia social em algum momento de suas vidas (Harvard Medical School, 2007).

Todos estes estudos constataram que os portadores do TAS experimentam uma qualidade de vida significativamente inferior, cujos detalhes veremos a seguir.

Como a Ansiedade Social Afeta os Estudantes Universitários?

Como já assinalamos, relacionamentos satisfatórios e reconhecimento social são elementos cruciais de felicidade nos estudantes universitários.

É fácil ver que a ansiedade social pode representar um grande obstáculo para formar e manter estes, afetando os estudantes universitários de forma negativa.

Estudantes universitários com transtorno de ansiedade social tendem a ter vidas sociais muito menos ativas e agradáveis, notas acadêmicas mais baixas, uma chance maior de desenvolver outras condições de saúde mental e uma maior propensão para o consumo problemático de álcool.

Vamos dar uma olhada mais de perto em vários domínios da vida e ver como o TAS os afeta nos estudantes universitários.

A vida social

Os níveis de ansiedade social parecem ser diretamente proporcionais à quantidade de tempo gasto em áreas privadas, ao invés de estar em áreas públicas.

Um estudo descobriu que à noite, depois da escola e nos fins de semana, os estudantes com fobia social passam mais tempo em casa do que em qualquer outro lugar (Boukhechba, Chow, Fua, Teachman, & Barnes, 2018).

Este padrão é tão forte que os pesquisadores descobriram que olhando para os dados de localização dos rastreadores GPS dos telefones celulares dos estudantes, era possível prever com 85% de precisão se o estudante tinha TAS.

Naturalmente, passar mais tempo em casa durante as noites e fins de semana significa menos amizades e relacionamentos românticos e amizades e romances de pior qualidade onde eles existem.

Significa também menos envolvimento em atividades extracurriculares como esportes e outros eventos, e menos passatempos fora de casa e tempo recreativo.

Uma vez estabelecidos estes padrões na vida dos estudantes, pode então tornar-se ainda mais difícil participar, já que os grupos de amizade dos colegas já se estabeleceram.

Isto freqüentemente leva a um ciclo vicioso de auto-isolamento.

Desempenho Acadêmico

Em um estudo sobre o impacto em estudantes de graduação na Arábia Saudita, pesquisadores descobriram que os estudantes com TAS mais comumente temiam “atuar, apresentar ou dar uma palestra na frente de um público” (Hakami et al., 2018)

Para muitos diplomas universitários, certas turmas exigirão dos alunos tal participação e eles podem ser graduados diretamente nessas habilidades.

Mesmo que não sejam classificados diretamente no desempenho, os estudantes com ansiedade social terão menos probabilidade de falar em seminários, participar de trabalhos em grupo ou fazer perguntas se não entenderem o conteúdo.

Compreensivelmente, portanto, o TAS tende a ter um impacto negativo sobre o desempenho acadêmico.

O mesmo estudo também descobriu que para os estudantes com o TAS, “corar na frente das pessoas” era a situação social mais comumente evitada.

Isto indica que os indivíduos com TAS também são suscetíveis de ter alta “sensibilidade à ansiedade”, o que significa que há muito medo em torno de ter sintomas de ansiedade.

Isto pode ocorrer por muitas razões – preocupações com dores emocionais agudas, desmaios, ou danos à saúde a longo prazo. No entanto, com estes estudantes, a preocupação era mostrar seus sintomas de ansiedade em relação a outros estudantes.

Se ambos, falando na frente das pessoas e corando, são comumente temidos, isto cria um ciclo vicioso de ansiedade crescente e evita comportamentos que podem ser muito difíceis de superar e afetar seriamente o desempenho acadêmico.

De fato, as estatísticas refletem que o TAS está correlacionado com o aumento da probabilidade de fracasso nos exames (Stein & Kean, 2000) e fracasso em completar o curso e se formar (Van Ameringen, Mancini, & Farvolden, 2003).

Isto é corroborado por estudos sobre adolescentes na escola. Entre uma amostra de 784 jovens finlandeses de 13-17 anos, aqueles com transtorno de ansiedade social alcançaram uma média de notas mais baixa em comparação com aqueles sem (Ranta, Kaltiala-Heino, Rantanen, & Marttunen, 2009).

Há, no entanto, algum conflito na pesquisa sobre estudantes universitários que sugere que muitos conseguem persistir e alcançar bem, apesar de suas ansiedades.

Além disso, a ansiedade social pode ser uma ajuda (embora seja improvável que seja saudável) na realização acadêmica.

Comorbidade: O desenvolvimento de outros distúrbios mentais

Embora não sejam específicos para estudantes universitários, os estudos demonstram que o transtorno de ansiedade social tem altos índices de comorbidade.

Isto significa que é provável que um portador de TAS se desenvolva ou já tenha outros distúrbios mentais.

As principais comorbidades da vida estavam presentes em 69% dos indivíduos com ansiedade social, um estudo encontrado (Schneier, Johnson, Hornig, Liebowitz, & Weissman, 1992). Ele também afirmou que o TAS tende a preceder os distúrbios comórbidos, o que significa que é provável que a fobia social seja a causa e não outros fatores.

Estes transtornos adicionais incluem depressão grave, alcoolismo e ideação suicida.

Particularmente saliente desses transtornos comórbidos para estudantes universitários é o abuso do álcool.

Embora o alcoolismo total possa não ser predominante entre os estudantes, uma meta-análise de muitos estudos examinando a relação entre distúrbio de ansiedade social e o uso de álcool descobriu que o TAS estava “significativamente correlacionado positivamente com problemas relacionados ao álcool”, bem como descobriu que a fobia social estava entre os motivos mais comuns para o uso de álcool, juntamente com a conformidade e o enfrentamento (Schry & White, 2013).

Entretanto, o TAS está negativamente correlacionado com a freqüência e quantidade do consumo de álcool, provavelmente devido à evasão geral de situações sociais, que é onde o consumo de álcool tende a ocorrer.

Causas de Ansiedade Social em Estudantes Universitários

Atualmente há um consenso geral entre os especialistas de que os distúrbios mentais são geralmente causados por uma interação única entre fatores biológicos, ambientais e socioeconômicos.

Acredita-se que este seja também o caso das causas dos transtornos de ansiedade social nos estudantes universitários.

Os estudantes universitários, como qualquer pessoa, podem ser predispostos à ansiedade social através de genes herdados, resposta aumentada da amígdala ou menor secreção de serotonina, bem como estar sujeitos a experiências parentais inadequadas ou traumáticas. Entretanto, a faculdade pode ser um momento especialmente preocupante para qualquer pessoa.

Para uma visão abrangente sobre todos os fatores que demonstraram aumentar as chances de desenvolvimento do TAS, dê uma olhada em nosso artigo sobre as causas da ansiedade social. O infográfico a seguir resume essas causas potenciais.

A ansiedade social nos estudantes universitários é provavelmente causada por uma combinação de vários dos fatores mostrados acima.

Os estudantes universitários estão deixando seus grupos de amizade estabelecidos e suas famílias e talvez se movendo a centenas de quilômetros de distância de sua cidade natal.

Deixar aqueles grupos sociais nos quais nos sentimos valiosos e apreciados e ter que navegar por novas pessoas com idéias e expectativas diferentes pode ser muito provocador de ansiedade.

Além disso, outras ansiedades em torno de estar na faculdade – como o trabalho em cursos, exames, ser independente e pensar em carreiras pode ampliar a fobia social existente.

A Ansiedade Social é uma Deficiência para a Universidade?

Se você for afetado por fobia social, você pode estar se perguntando se ela se qualifica ou não como uma deficiência na faculdade.

Todos os transtornos de ansiedade estão listados na Lei dos Americanos Portadores de Deficiência de 1990 e ter qualquer um deles – inclusive o transtorno de ansiedade social – pode torná-lo elegível para certas acomodações. Isto ajudará a compensar os sintomas de sua ansiedade social e a administrar sua vida universitária com mais facilidade.

Você deve primeiro visitar o escritório de atendimento a deficientes de sua faculdade ou enviar um e-mail para o departamento relevante. Você também pode ter um centro médico no campus que pode ajudar.

Cada escola terá sistemas ligeiramente diferentes, bem como requisitos para a comprovação de seu distúrbio. O escritório o informará sobre os vários documentos que você possa precisar.

Pode ser que você decida quais acomodações você pode solicitar, ou o departamento pode oferecê-las a você, dependendo das especificidades de suas dificuldades.

As acomodações geralmente incluem: tempo extra para exames e tarefas, salas privadas para exames e assistência tecnológica.

Um ou todos eles devem ajudá-lo a não ficar para trás devido a seu distúrbio de ansiedade social.

Conclusão

Com cerca de um em cada cinco estudantes universitários sofrendo de transtorno de ansiedade social, o TAS representa uma das condições psicológicas mais comuns de nosso tempo. Portanto, não há razão alguma para acreditar que você está sofrendo sozinho.

As causas são amplas e variadas e nunca é fácil identificar os fatores causadores sem terapia e sem o conselho de um médico ou outro profissional qualificado.

Com o TAS, você pode ser afetado em seu desempenho acadêmico, tendo dificuldade para participar das aulas ou lutando para fazer amigos. Você pode até ser tentado a usar o álcool como mecanismo de enfrentamento e pode se ver confrontado com a depressão e outros sintomas de saúde mental às vezes.

Todos estes resultados são compreensíveis e normais para estudantes universitários que sofrem de fobia social.

Entretanto, há muitos tratamentos úteis disponíveis – desde intervenções farmacêuticas a terapêuticas.

Você pode ter que mudar certos hábitos de estilo de vida ou praticar regularmente o cuidado para se recuperar. Felizmente, muitos desses tratamentos têm se mostrado eficazes em inúmeros ensaios científicos e na prática clínica.

Leia nosso guia de tratamento completo para saber mais sobre suas opções e começar a desfrutar de sua vida universitária, em vez de apenas empurrar através dele.

Pegue | Compartilhe | Siga


Mostrar Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.