Ansiedade Social e Relacionamentos: Dicas para Casais

O transtorno de ansiedade social (TAS) é incrivelmente prevalente, e é uma das condições de saúde mental mais comuns no mundo (Kessler et al., 2005).

Mesmo as pessoas que não se qualificam para um diagnóstico frequentemente lutam com ansiedade social (Porter, Chambless, & Keefe, 2017), o que pode afetar uma série de domínios da vida.

Uma das principais áreas problemáticas para pessoas com ansiedade social é estabelecer e manter relacionamentos românticos.

Pessoas com ansiedade social não só acham difícil formar relacionamentos íntimos, mas muitas continuam a ter problemas interpessoais mesmo depois de terem estabelecido tais relacionamentos (Davidson, Hughes, George, & Blazer, 1994).

Abaixo, examinamos os problemas comuns de relacionamento enfrentados por pessoas com ansiedade social e seus parceiros, e oferecemos algumas dicas úteis para casais afetados.

Ansiedade Social e Relacionamentos: Problemas Típicos

A ansiedade social afeta muito o funcionamento interpessoal, por exemplo, na forma de diminuição da assertividade, aumento da sensibilidade à crítica ou incapacidade de se comunicar efetivamente.

É lógico, portanto, que as relações românticas são muitas vezes afetadas negativamente por isso.

Para começar, vamos dar uma olhada nos problemas mais comuns que as pessoas com fobia social enfrentam em seus relacionamentos íntimos.

Pesquisas têm descoberto que pessoas socialmente ansiosas tendem a experimentar as seguintes dificuldades:

Como você pode ver, há uma série de áreas problemáticas interpessoais que muitas vezes têm um impacto nos relacionamentos e levam a uma menor satisfação nas relações das pessoas com TAS (Porter and Chambless, 2014).

Vamos examinar porque esses problemas ocorrem e o que pode ser feito a respeito deles.

Abertura emocional vs. inibição emocional

Como detalhado em nosso guia completo sobre fobia social (você pode acessar este abrangente artigo clicando aqui), a ansiedade social é caracterizada pela preocupação excessiva em ser julgada, rejeitada ou avaliada negativamente (Associação Psiquiátrica Americana, 2013).

Essas preocupações avaliativas são frequentemente acompanhadas por pensamentos, sentimentos e sensações desconfortáveis (Kashdan, Volkmann, Breen, & Han, 2007).

Por exemplo, uma pessoa socialmente ansiosa pode começar a se preocupar em ser avaliada negativamente por um parceiro (“Ele vai achar que eu sou entediante“), e experimentar um aumento da ansiedade que é acompanhada por um batimento cardíaco acelerado e aumento do suor.

Como esses fenômenos podem ser muito desagradáveis e podem ser a causa de atritos interpessoais ou constrangimentos, pessoas com fobia social frequentemente tentam evitar o contato com essas experiências (Clark & Wells, 1995).

O objetivo principal da maioria das pessoas socialmente ansiosas é evitar a rejeição a todo custo enquanto mantém algum grau de conexão com outras (Kashdan, Volkmann, Breen, & Han, 2007).

Portanto, revelar abertamente seus sentimentos negativos e desconfortáveis aos outros pode representar uma ameaça para eles.

Por exemplo, expressar raiva, insatisfação, medo ou insegurança pode fazer com que outros os percebam como pouco atraentes, fracos ou vulneráveis, o que pode ter um impacto negativo em seu relacionamento.

Por esta razão, as pessoas com TAS freqüentemente restringem as informações que compartilham com outros, pois isto minimiza a possibilidade de serem humilhadas ou rejeitadas.

As desvantagens da abertura emocional

Para os indivíduos que têm baixa pontuação em medidas de ansiedade social, a expressão aberta das emoções frequentemente produz benefícios sociais substanciais e é, portanto, considerada uma estratégia de regulamentação saudável (Keltner & Kring, 1998Kennedy-Moore & Watson, 2001).

Em doses moderadas, a expressão emocional ajuda a maioria dos casais a melhorar a intimidade de seu relacionamento, e a retenção de emoções negativas tem sido ligada à deterioração do relacionamento.

Em contraste, para pessoas com ansiedade social, este não é muitas vezes o caso.

Como eles frequentemente experimentam pensamentos negativos crônicos, medos generalizados, ansiedade antecipada ou pensamentos ruminativos, seus parceiros podem reagir negativamente se forem continuamente confrontados com estas preocupações (Wenzel, Graff-Dolezal, Macho, & Brendle, 2005).

Afinal de contas, pode ser oneroso para os indivíduos obter rotineiramente informações detalhadas sobre as dificuldades psicológicas de seu parceiro socialmente ansioso.

O contínuo conteúdo negativo das expressões verbais e não verbais das pessoas com TAS, bem como sua tendência de evitar situações sociais temidas, pode facilmente tirar o seu pedágio de seus parceiros românticos (Alden & Taylor, 2004).

Com o tempo, o parceiro pode tornar-se cada vez mais desconfortável com o relacionamento e reduzir o apoio social que eles fornecem ao seu cônjuge socialmente ansioso.

Como resultado, ambos os parceiros podem se sentir cada vez mais distantes, menos apreciados e menos satisfeitos em seu relacionamento (Gottman & Levenson, 19921999).

Indivíduos socialmente ansiosos com um forte senso de dependência de seu parceiro são especialmente propensos a se abster de compartilhar suas verdadeiras emoções, pensamentos e sentimentos.

Dada sua forte dependência de seu parceiro, eles podem temer que a revelação dessas experiências internas prejudique seu relacionamento e leve ao abandono.

Assim, ao contrário das relações entre pessoas com baixa ansiedade social, aquelas que envolvem pelo menos um parceiro com alta ansiedade social parecem se beneficiar, até certo ponto, de uma diminuição da expressão emocional por parte da pessoa socialmente ansiosa.

Além disso, pesquisas têm mostrado que indivíduos socialmente ansiosos, especialmente mulheres, que compartilham suas emoções negativas com seu parceiro tendem a desenvolver a visão de que seu relacionamento não é como eles gostariam que fosse (Kashdan, Volkmann, Breen, & Han, 2007).

Uma das principais razões parece ser a falta de apoio social de seu parceiro em tempos de dificuldade emocional.

Quando indivíduos socialmente ansiosos percebem que seus desejos de intimidade não são repetidamente satisfeitos por seus parceiros, eles tendem a começar a se sentir menos conectados a eles e a prestar mais atenção aos seus desejos não satisfeitos.

Isto significa que existe uma diferença fundamental entre pessoas com ansiedade social (especialmente mulheres) e pessoas com baixa ansiedade social.

Enquanto para a maioria das pessoas a expressão de emoções negativas leva a um aumento da satisfação no relacionamento, o oposto é verdadeiro para pessoas com altos níveis de medo social.

A necessidade de pertencer como prioridade

Quando confrontadas com fortes emoções negativas (como a ansiedade em situações sociais), muitas pessoas com fobia social se retiram drasticamente em termos sociais (Ishiyama, 1984).

Outros, por sua vez, podem se tornar hostis e expressar abertamente raiva e descontentamento (Ayduk, Downey, Testa, Yen, & Shoda, 1999Twenge, Baumeister, Tice, & Stucke, 2001).

Como essas duas reações podem alienar parceiros românticos, as pessoas com TAS muitas vezes inibem suas emoções negativas em situações sociais que elas experimentam como estressantes.

Ao suprimir suas emoções, eles podem muitas vezes evitar com sucesso estas respostas automáticas e reflexivas (Hirsch & Clark, 2004).

Desta forma, pessoas com ansiedade social podem reduzir estrategicamente as chances de serem rejeitadas por seu parceiro romântico (Kashdan, Volkmann, Breen, & Han, 2007).

Especialmente quando uma relação romântica é formada, as mulheres com ansiedade social muitas vezes têm um forte incentivo para mantê-la (Gilbert, 2001; Leary, 2000).

Comparadas aos homens, as mulheres são frequentemente mais motivadas a reduzir sua expressão emocional a fim de manter seus parceiros satisfeitos e comprometidos com eles (Timmers, Fischer, & Manstead, 1998).

A manutenção de seu relacionamento romântico, independentemente do custo, pode proporcionar-lhes alguma sensação de segurança e até mesmo percepção de conexão social, mesmo que eles não compartilhem seus verdadeiros sentimentos com seu parceiro.

Esta estratégia tende a assegurar a estabilidade do relacionamento e sentimentos de proximidade com seu parceiro, ao mesmo tempo em que lhes proporciona importantes benefícios psicológicos, ou seja, a satisfação de sua necessidade de pertencer (Aron et al., 2004).

Desvantagens de inibir as emoções negativas

Até agora, temos discutido os benefícios potenciais de suprimir emoções negativas e inibir reações automáticas quando a ansiedade social é desencadeada.

No entanto, esta estratégia comportamental tem desvantagens significativas. Em particular, esta abordagem frequentemente leva a um aumento das emoções exatas que se está tentando evitar (Gross, 1998).

Ao tentar suprimir a ansiedade, raiva ou tristeza, elas provavelmente se intensificarão com o tempo.

Outras desvantagens importantes são o sacrifício da autenticidade e a perda da capacidade de comunicar a necessidade de apoio social e afiliação (Keltner & Haidt, 1999; Keltner & Kring, 1998).

Se você não comunicar suas dificuldades ao seu parceiro, não há nenhuma razão para que ele ou ela forneça apoio emocional.

Isto também torna difícil para seu parceiro pegar e entender que tipo de situações e comportamentos você gosta e não gosta.

Como mencionado acima, pessoas socialmente ansiosas tentam evitar a rejeição e a exclusão social a todo custo.

Isto significa que pessoas com fobia social se sacrificam voluntariamente sendo assertivas, expressivas, autênticas e até mesmo felizes na tentativa de satisfazer sua necessidade de pertencer (Gilbert, 2001; Leary, 2000).

Em outras palavras, eles claramente priorizam a manutenção de seu relacionamento romântico, ao mesmo tempo em que não conseguem satisfazer outras necessidades psicológicas, tais como autonomia, crescimento pessoal e um senso de auto-eficácia.

Como você pode ver, a tentativa de manter seu relacionamento muitas vezes vem às custas do seu bem-estar pessoal, o que é problemático.

Entretanto, pessoas com ansiedade social, especialmente mulheres, estão frequentemente dispostas a aceitar esses custos desde que possam manter seu relacionamento romântico (Kashdan, Volkmann, Breen, & Han, 2007).

Falta de comunicação efetiva

Geralmente, as pessoas são motivadas a reduzir as discrepâncias entre a realidade atual e a realidade desejada, a fim de alcançar um nível de funcionamento mais satisfatório (Higgins, 1987).

De acordo com esta idéia, a maioria das pessoas que se encontram em um relacionamento que não consideram positivo tentam melhorá-lo ou decidem romper com seu parceiro.

Tem sido feita a hipótese de que pessoas socialmente ansiosas, especialmente mulheres, são mais passivas quando percebem que seu relacionamento romântico não é o que elas querem (Kashdan, Volkmann, Breen, & Han, 2007).

Isto pode ser devido à sua menor assertividade, sua tendência a evitar conflitos e sua dependência de seu parceiro romântico.

Isto freqüentemente leva a uma falta de uso de estratégias restauradoras ou tentativas ativas de terminar seu relacionamento romântico, cedendo o controle do relacionamento ao seu parceiro.

A adoção de uma postura passiva ou passiva-agressiva, quando uma abordagem mais pró-ativa seria mais apropriada, pode levar à deterioração da relação.

Isso também significa que os problemas de relacionamento, que poderiam ser resolvidos através de uma discussão aberta, são mantidos ou mesmo ampliados ao longo do tempo, o que pode levar a uma ruptura romântica.

A falta de comunicação efetiva é um grande problema nas relações românticas, e é freqüentemente observada em pessoas que sofrem de ansiedade social.

A falta de assertividade acima mencionada, a tendência de evitar conflitos abertos e o desejo de manter o relacionamento a qualquer custo, são as principais razões para este comportamento.

Agora que já cobrimos a base teórica dos problemas de relacionamento causados pela ansiedade social, vamos ver o que pode ser feito para reduzi-los ou mesmo preveni-los.

Conselhos práticos para casais afetados

Como pode ser visto nos pontos acima, casais afetados pela ansiedade social podem se beneficiar muito se eles tomarem consciência de seu problema e decidirem deliberadamente ajustar seu comportamento para tornar seu relacionamento mais satisfatório.

Isto se aplica não apenas à pessoa afetada pela ansiedade social, mas também ao seu parceiro não ansioso. Portanto, vamos discutir dicas e recomendações para ambos os parceiros.

Tenha em mente que cada casal é diferente e que as seguintes recomendações devem ser tomadas com cautela.

Se você tiver sérios problemas de relacionamento, você pode querer considerar iniciar a terapia de casais com um profissional de saúde mental qualificado. Mais sobre isso depois.

Dicas para o seu relacionamento se você tem ansiedade social

Se você é afetado pela ansiedade social e acredita que ela está influenciando negativamente o seu relacionamento, as seguintes recomendações podem ajudar.

Encontre um equilíbrio de abertura emocional

Determine o quanto de suas experiências emocionais você compartilha abertamente com seu parceiro.

Se você reprimir e esconder a maioria de suas emoções negativas, você pode tentar ser mais aberto com seu parceiro sobre suas experiências interiores.

Se você compartilha constantemente a ansiedade, preocupação, vergonha ou raiva que sente, ou continuamente comunica os detalhes de seus pensamentos ansiosos e os efeitos que a ansiedade tem sobre seu corpo, considere reduzi-los um pouco.

Você pode sobrecarregar o seu parceiro com muito disso.

Terapia individual ou grupos de apoio local são excelentes lugares para ir em profundidade e compartilhar em detalhes suas experiências com ansiedade social.

Se você é o tipo de pessoa que tende a sobrecarregar seu parceiro com suas emoções negativas, considere explorar estes espaços para trabalhar através deles.

Reduza a evasão social nos momentos que mais importam para o seu parceiro

A evasão social é uma parte básica da ansiedade social. Portanto, é compreensível que você tenha um forte desejo de se retirar socialmente quando você tem medo de certas situações sociais ou se sente magoado ou envergonhado.

No entanto, esteja ciente de que isto pode ter um custo para o seu parceiro. Mesmo o cônjuge mais compreensivo será afetado pela freqüente evasão social do seu parceiro.

Portanto, considere fazer um esforço quando se trata de eventos e atividades que realmente importam para o seu parceiro.

Por exemplo, seu parceiro pode querer que você o acompanhe em uma viagem com seus pais, levá-lo para conhecer seus melhores amigos ou acompanhá-lo em uma ocasião especial no trabalho.

Ele sai de seu caminho para apoiá-lo, tente apoiá-lo também. Ele vai apreciar o seu esforço.

Procura fontes adicionais de inclusão social

Se você depende muito de seu parceiro para satisfazer sua necessidade de pertencer, isto provavelmente levará a padrões de comportamento insalubres de sua parte.

Por exemplo, você pode estar excessivamente submisso, agarrando-se ao seu parceiro e buscando constante garantia de que ele ainda está apaixonado por você e que a relação não está em perigo (Davila e Beck, 2002).

Este comportamento pode ser esmagador ou pouco atrativo para seu parceiro, especialmente a longo prazo.

Para reduzir isso, você pode procurar maneiras de ser menos dependente do seu relacionamento para satisfazer a sua necessidade de pertencer.

Há muitas opções para se fazer isso. Por exemplo, você pode fortalecer os laços com sua família, fazer novos amigos ou reconectar-se com os antigos, ou mesmo juntar-se a um grupo de apoio local para pessoas com ansiedade social, entre muitos outros.

Se o seu parceiro não é o único que lhe proporciona um senso de pertencimento, inclusão social e apoio, é provável que você se relacione com eles de uma forma mais saudável e sustentável.

Aprenda a se comunicar mais efetivamente

Uma das principais dificuldades para pessoas com ansiedade social é a capacidade de falar abertamente sobre tópicos desconfortáveis.

Isto é especialmente verdadeiro quando se trata de sentimentos de raiva e descontentamento relacionados a uma pessoa importante, como o seu parceiro.

O medo subjacente é que seu parceiro os rejeite quando eles compartilham suas preocupações. Como temos observado, pessoas com ansiedade social muitas vezes tentam evitar a rejeição a todo custo.

No entanto, reprimir seus sentimentos negativos sobre seu parceiro e seu relacionamento muitas vezes tem um grande custo, já que se pensa que reprimir a raiva alimenta ainda mais os sentimentos de ansiedade social (Sulz, 2013).

Portanto, pode ser crucial que você melhore suas habilidades de comunicação para discutir os aspectos do seu relacionamento que você gostaria de mudar ou melhorar.

Como muitas vezes acontece na vida, aqui também a comunicação é crucial.

Comece um processo terapêutico

Se sua ansiedade social é intensa e causa dificuldades substanciais em sua vida, como uma relação deteriorada, pode ser a hora de trabalhar com um profissional de saúde mental qualificado, tal como um psicoterapeuta.

Além disso, como observado acima, muitas pessoas socialmente ansiosas sacrificam importantes necessidades psicológicas para satisfazer a sua necessidade de pertencer.

Atributos psicológicos tais como maior assertividade, autenticidade, auto-eficácia e autonomia, entre outros, podem ser difíceis de cultivar por conta própria.

Um processo terapêutico pode ajudá-lo a fortalecer estas qualidades, o que por sua vez levará a uma maneira mais saudável de se relacionar com os outros, por exemplo, com seu parceiro.

Dicas para seu relacionamento se seu parceiro tem ansiedade social

Se seu parceiro tem problemas com ansiedade social, há uma série de coisas que você, como parceiro deles, pode fazer para melhorar o seu relacionamento.

Deixe seu parceiro saber que você se importa

Ter um parceiro com ansiedade social pode ser difícil, às vezes.

Eles podem ter uma tendência crescente para evitar situações sociais temidas, para compartilhar seus pensamentos e emoções negativas relacionadas aos seus medos sociais, ou para se abster de compartilhar qualquer informação íntima em absoluto.

Isto é frequentemente acompanhado por uma maior sensibilidade às críticas, comportamentos apegados, submissividade marcada e falta de autonomia.

Você, como parceiro deles, pode se sentir frustrado e perceber estes comportamentos como um fardo, o que pode facilmente levar a manifestações de frustração e argumentos.

Embora sua frustração possa ser compreensível, tenha em mente que seu parceiro não está escolhendo conscientemente ser desta maneira.

Na verdade, ele ou ela está sofrendo de ansiedade social e provavelmente mudaria isso se fosse assim tão simples.

Deixe seu parceiro saber que você está do lado deles, que você os apóia e que você está disposto a encontrar uma maneira de melhorar seu relacionamento juntos.

Quando você fala com seu parceiro sobre seu relacionamento, pode ser útil começar deixando-o saber que você se importa com ele e com sua ligação.

Isto irá tranquilizá-lo que você não o está rejeitando, apesar de suas preocupações e reclamações.

Comunique o que você precisa do seu parceiro

Dependendo do seu parceiro e de como eles lidam com seus medos sociais, eles podem sobrecarregá-lo com suas emoções e pensamentos negativos, ou fazer exatamente o oposto e não compartilhar nenhuma experiência emocional.

Se estas tendências afetam você e o relacionamento de forma negativa, você pode querer resolver este problema com seu parceiro.

É importante que entenda que o comportamento dele ou dela tem um grande impacto no bem-estar de você e no relacionamento.

Pense no que você precisa do seu parceiro para se sentir melhor no relacionamento e para se sentir mais próximo dele ou dela.

Se você apoia seu parceiro, você tem o direito de esperar o mesmo dele ou dela.

Entretanto, seja paciente, pois a mudança de comportamento não acontece da noite para o dia.

Não aceite a submissão total do seu parceiro

Como mencionado acima, muitas pessoas socialmente ansiosas tendem a ser muito dependentes em suas relações românticas.

Como resultado, eles freqüentemente adotam uma posição submissa na tentativa de manter seu parceiro feliz e satisfeito.

Eles frequentemente temem que compartilhar sua opinião honesta ou ser mais assertivos possa prejudicar seu relacionamento.

Isso muitas vezes acontece mesmo com coisas simples, como não ter preferência por um filme ou para onde ir em suas próximas férias.

Na realidade, é possível que seu parceiro tenha preferências, opiniões ou até mesmo desejos e necessidades importantes, mas simplesmente não as comunica a você por medo de que você acabe se sentindo menos satisfeito com o relacionamento.

Isto, é claro, é uma crença falsa e exagerada, dado que você é uma pessoa racional e madura.

Não se contente com a submissão do seu parceiro. Às vezes é suficiente perguntar duas vezes para obter uma resposta honesta.

Outras vezes, também pode ser útil deixar seu parceiro saber que você prefere ouvir a opinião honesta dele em vez de fazer com que ele tente fazer você feliz.

Embora seja um gesto bonito da parte dele, você quer que ele/ela seja feliz também, não é mesmo?

Encoraje seu parceiro a quebrar seu hábito de evasão social

Como você provavelmente já sabe, a ansiedade social é marcada por altos níveis de evasão social.

Seu parceiro pode tender a evitar situações que ele teme, tais como reuniões familiares, festas ou outros eventos sociais, tais como reuniões com amigos.

Como destacamos em nosso abrangente guia introdutório à fobia social (você pode clicar aqui para acessar este artigo), evitar situações sociais temidas pode proporcionar alívio a curto prazo, mas tende a manter e frequentemente aumentar a ansiedade social a longo prazo.

Portanto, a terapia para ansiedade social aborda o comportamento evitador, encorajando a exposição repetida a situações sociais temidas (você pode clicar aqui para nosso guia de tratamento completo, que cobre psicoterapias eficazes, bem como medicação para fobia social).

Enquanto você, como um parceiro romântico, quer ser compreensivo e apoiador da situação do seu parceiro, você também pode desempenhar um papel importante na quebra do seu hábito de evasão social.

Por exemplo, você, como seu parceiro, pode convencê-lo a acompanhá-lo para encontrar amigos ou participar de outra atividade social que você gostaria de participar.

Especialmente quando estas atividades são importantes para você, seu parceiro pode estar mais disposto a fazer o esforço e acompanhá-lo.

Afinal, eles são seu parceiro e você merece que eles saiam da sua zona de conforto para você de vez em quando.

Ao fazer isso, você também está fazendo uma atividade terapêutica para si mesmo, pois parar de evitar interações sociais é uma conquista importante para as pessoas que querem reduzir sua ansiedade social.

Leve em consideração a forte necessidade do seu parceiro de pertencer

Como já mencionamos, as pessoas com ansiedade social têm uma forte necessidade de pertencer.

É claro, todos nós temos essa necessidade. No entanto, pessoas com ansiedade social claramente priorizam isso acima de tudo.

As razões para isto são múltiplas, e embora seja útil entendê-las, elas estão além do escopo deste artigo.

Para você, como parceiro romântico de uma pessoa com ansiedade social, é muito importante entender o papel que essa necessidade desempenha para o seu cônjuge.

Quanto menos relações sociais próximas e significativas seu parceiro tiver, mais importantes você e a relação romântica deles são para eles.

Embora possa ser fantástico ser uma parte importante da vida do seu parceiro, se você é a única fonte de sentimentos de aceitação social, inclusão e pertencimento, isto pode facilmente se tornar problemático.

Especificamente, porque isto intensifica o medo do seu parceiro de perder você como seu companheiro.

Isto o leva a ser ainda mais propenso a comportamentos relacionais insalubres (tais como clinginess e extrema submissão) e a sacrificar outras necessidades psicológicas pelo caminho (autenticidade, autonomia, auto-eficácia, entre outras).

Por esta razão, pode ser crucial para seu parceiro estabelecer e alimentar conexões adicionais que proporcionem algum senso de inclusão e aceitação social, como amizades ou fazer parte de um grupo que compartilha um hobby e se encontra regularmente.

Embora esta seja a responsabilidade do seu parceiro, é importante que você entenda a importância destas conexões adicionais.

Desta forma, você pode assegurar ao seu parceiro que você aprova que eles passem tempo com outros e talvez até mesmo encorajá-los a procurar esses espaços.

Terapia de casais: Uma opção válida

Este artigo pretende ser um primeiro recurso para casais afetados pela ansiedade social.

Esperamos que isso esclarecerá as dúvidas iniciais que são comuns a ambas as partes, a pessoa com ansiedade social e seu parceiro.

Embora as recomendações acima possam efetivamente ajudar em muitos casos, elas têm limitações importantes, já que as relações românticas são muito complexas e muitas vezes requerem um profundo entendimento da dinâmica única de um determinado casal.

Se o seu relacionamento for influenciado negativamente pela sua ansiedade social ou do seu parceiro, a terapia de casal pode ser uma boa opção.

Desta forma, um profissional de saúde mental especializado em dinâmica de relacionamento e resolução de conflitos interpessoais irá trabalhar com ambos para encontrar possíveis causas e soluções para melhorar seu relacionamento.

Dependendo do seu país e cidade de residência, você pode ser capaz de encontrar um bom terapeuta para vê-lo pessoalmente.

Se você preferir tratamento online, nós recomendamos o online-therapy.com, onde você será colocado em contato com um terapeuta qualificado para trabalhar em seus problemas de relacionamento a partir do conforto de sua própria casa.

Se este artigo for útil para você e você decidir se inscrever no online-therapy.com, pode retornar o favor usando o seguinte link para ver os preços e começar: Inscreva-se na terapia online para casais.

Você não apenas apoiará nosso site e nos permitirá continuar criando recursos como este – porque podemos ganhar uma comissão por esta indicação sem custo adicional para você – mas você também receberá um desconto de 20% para o seu primeiro mês de terapia.

Além disso, este artigo enfoca exclusivamente os efeitos da ansiedade social nas relações românticas. Se você está interessado em outras áreas da vida que são freqüentemente afetadas pela ansiedade social, recomendamos que você clique aqui para ler nosso artigo sobre as dez consequências mais sérias de se viver com transtorno de ansiedade social.

Pegue | Compartilhe | Siga


Mostrar Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.