Ansiedade Social na Escola: Um Guia para Estudantes Afetados

Ir à escola e obter uma educação básica é um direito humano que nem todas as crianças têm a oportunidade de experimentar.

Por uma boa razão, espera-se que aqueles que têm o privilégio de freqüentar o ensino fundamental e médio sejam gratos e aproveitem essa possibilidade.

É por isso que faltar às aulas é considerado um traço dos preguiçosos e ingratos, que não entendem a sorte que têm.

No entanto, nem todas as crianças que faltam à escola o fazem por estas razões.

Uma proporção significativa das crianças que estão ausentes da escola são atormentadas pelo medo e preocupação de serem julgadas, rejeitadas ou avaliadas negativamente por seus companheiros e professores.

Em muitos casos, essas preocupações são tão intensas que a freqüência escolar se torna um pesadelo, vivido com grande sofrimento e evitado de tempos em tempos, ou mesmo abandonado completamente.

Quando os medos experimentados em ambientes sociais, como na escola, atingem níveis que causam angústia significativa, os profissionais de saúde mental começam a considerar um diagnóstico de transtorno de ansiedade social (TAS), também chamado de fobia social.

O TAS refere-se a um medo excessivo de ser julgado, rejeitado ou avaliado negativamente em ambientes sociais (Associação Psiquiátrica Americana, 2013).

Este artigo é destinado a adolescentes afetados por este fenômeno (assim como seus pais) para ajudá-los a entender a extensão da condição e encontrar respostas para suas perguntas.

Por favor, note que este artigo não substitui o aconselhamento médico profissional e que o diagnóstico e tratamento devem ser sempre administrados por um profissional de saúde mental qualificado.

Dito isto, vamos mergulhar e ver o que pode ser feito a respeito.

Sinais de Ansiedade Social na Escola

Se você experimentar sentimentos de insegurança e ansiedade no ambiente da sala de aula, um primeiro passo importante é determinar a natureza desses medos.

Ou seja, é crucial entender exatamente do que você tem medo. Nem todos os medos experimentados por adolescentes na escola se enquadram no contexto da ansiedade social.

Uma vez que você esteja claro sobre a natureza de suas preocupações, você pode tomar decisões mais bem informadas sobre o que fazer a respeito delas.

Como observado acima, a característica cardinal da fobia social é o medo excessivo de ser julgado, rejeitado ou avaliado negativamente por outros, tais como por seus colegas de classe.

A seguinte lista mostra sinais comuns de que você pode estar sofrendo de ansiedade social na escola. Note que todos eles podem ser atribuídos a um medo subjacente de avaliação negativa.

  • Medo de ser o centro da atenção.
  • Medo de fazer apresentações.
  • Medo de falar em classe.
  • Medo de corar.
  • Medo de tremer de mãos.
  • Medo de tremer de voz.
  • Medo de dizer algo errado ou “estúpido”.
  • Medo de suar em excesso.
  • Medo de conversar durante o recesso.
  • Medo de socializar com os companheiros.
  • Medo de ser visto como entediante.
  • Medo de parecer insociável ou embaraçoso.
  • Medo de ser ridicularizado.
  • Medo de parecer tolo.
  • Medo de ser gozado ou ridicularizado.
  • Medo de ficar incontrolavelmente nervoso.

Esta lista não é exaustiva, pois estes são apenas alguns dos exemplos mais comuns.

Novamente, observe que todos eles trazem a possibilidade de constrangimento e podem levar a avaliação negativa, julgamento ou mesmo rejeição por outros.

Além disso, algumas crianças podem ser vítimas de bullying severo. Nesses casos, um possível diagnóstico de TAS torna-se de certa forma um pensamento posterior, e as crianças e os pais devem trabalhar de perto com os professores e a administração escolar para intervir efetivamente.

Se você for afetado pelo bullying (ou se você for o pai de uma criança afetada), nós recomendamos que você se dirija para stopbullying.gov ou cybersmile.org.

Se você experimentar um ou mais dos medos acima, é provável que você seja afetado de alguma forma pela ansiedade social.

Entretanto, como dito acima, isto só pode ser determinado por um profissional de saúde mental qualificado.

Para saber mais sobre os critérios oficiais de diagnóstico de transtorno de ansiedade social, clique aqui para acessar nossa página sobre o diagnóstico do TAS.

Agora que você determinou se os seus medos na escola são ou não sinais de ansiedade social, vamos ver a seguir porque você pode estar experimentando-os.

Causas de Ansiedade Social na Escola

Estudantes com um temperamento tímido e socialmente evitador, assim como aqueles que são geralmente extrovertidos mas têm dificuldades em situações de desempenho, como fazer apresentações, raramente podem apontar uma causa exata para essas dificuldades.

Isto faz muito sentido, no entanto.

Traços psicológicos, tais como nossa tendência de reagir ansiosamente a certos estímulos, são freqüentemente o resultado de uma complexa interação entre muitos fatores diferentes, tais como nossos genes, a cultura na qual crescemos, nosso status socioeconômico, experiências de vida únicas, e assim por diante.

Por esta razão, é provável que você mal consiga identificar uma única causa de sua ansiedade na sala de aula.

Ao invés disso, é mais provável que uma combinação única de fatores predisponentes tenha contribuído para o desenvolvimento desta característica.

A lista a seguir resume o estado atual da ciência com relação a esses fatores predisponentes.

  1. Genes predisponentes (Spence & Rapee, 2016)
  2. Estilo de apego inseguro (Bohlin, Hagekull, & Rydell, 2000Muris, Mayer, & Meesters, 2000)
  3. Criação desfavorável (por exemplo, Bögels, Van Oosten, Muris, & Smulders, 2001)
  4. Traumas sociais (Öst, 1985)
  5. Testemunhar os traumas sociais dos outros (Öst & Hughdahl, 1981Mineka & Cook, 1991)
  6. Difíceis experiências de infância (Kessler, Davis, & Kendler, 1997Magee, 1999Lieb et al., 2000; Bandelow et al., 2004)
  7. Habilidades sociais insuficientes (Spence, Donovan, & Brechman-Toussaint, 1999)
  8. Formas desfavoráveis de dirigir a atenção (Alfano & Beidel, 2011)
  9. Predispondo traços biológicos (por exemplo, Condren, O’Neill, Ryan, Barrett, & Thakore, 2002).
  10. Atitudes culturais (por exemplo, Hofmann, Asnaani, & Hinton, 2011).

Para uma explicação mais detalhada desses fatores, clique aqui para ver nosso artigo sobre as causas do transtorno de ansiedade social.

Como você pode ver, a ansiedade social geralmente é o resultado de uma mistura selvagem de alguns desses fatores, e certamente não é culpa sua que você a experimente.

Mesmo que você esteja entre os adolescentes que tiveram uma experiência social traumática específica (ou seja, uma experiência concreta que parece ter desencadeado o início de sua ansiedade social), é provável que você tenha sido predisposto por alguns dos outros fatores mencionados acima.

Agora que você tem uma compreensão básica de sua ansiedade na escola e porque você pode vivê-la, vamos finalmente ver o que você pode fazer sobre isso.

Como Lidar com a Ansiedade Social na Escola?

Primeiro: se você luta com ansiedade social, geralmente é melhor consultar um profissional de saúde mental qualificado.

Há várias intervenções que são bastante eficazes para reduzir os medos sociais. Entretanto, apenas 20% das pessoas que atendem aos critérios diagnósticos do TAS recebem ajuda profissional (Grant et al., 2005).

Pedir ajuda é um passo importante e pode fazer uma grande diferença na redução da insegurança em situações sociais.

Para saber mais sobre as diferentes abordagens eficazes e como iniciar a terapia, clique aqui para acessar nosso guia completo de tratamento para fobia social.

Dito isto, aqui estão algumas estratégias gerais que você pode ter em mente para lidar com sua insegurança na sala de aula.

(1) Fale com seus pais

Este ponto pode vir naturalmente para alguns, mas fará outros se encolherem de desespero.

É certo que nem todos têm o tipo de relacionamento com seus pais que os encoraje a compartilhar seus problemas emocionais com eles.

No entanto, fazer isso pode mover montanhas, posto que seus pais assumem a responsabilidade deles como seus cuidadores.

A abertura para sua mãe e/ou seu pai sobre sua luta com a ansiedade social na escola pode ser um passo importante para obter o apoio emocional que você tanto precisa.

Da mesma forma, se seus pais têm suas costas, pode ser muito mais fácil ser proativo e iniciar soluções práticas, como buscar ajuda terapêutica ou comunicar seu problema aos seus professores.

(2) Fale com os seus professores

Outro passo desconfortável? Sim, mas também um passo importante.

Se seus professores sabem sobre suas lutas na sala de aula, eles são menos propensos a colocá-lo numa situação delicada e puni-lo com notas fracas por falta de participação.

Embora nem todos os professores sejam receptivos ou acessíveis em relação a questões de saúde mental, muitos o são.

Afinal, eles escolheram esta profissão por causa de sua paixão em ter um impacto importante na vida dos jovens e no seu futuro.

Aqueles que levam sua responsabilidade a sério vão ouvir você e procurar maneiras de ajudá-lo a lidar e melhorar.

É claro que pode parecer arriscado compartilhar suas vulnerabilidades com outros, pois não há como saber com certeza que eles não vão explorá-las.

Por esta razão, você pode escolher sabiamente quais professores abordar. Pode ser uma boa idéia começar com seu professor favorito e se juntar a ele para conversas subsequentes.

A inclusão de seus pais nesta conversa pode ser outro elemento útil, pois a presença deles garantirá que seus professores levem seu problema a sério.

Se você decidir abordar um ou vários de seus professores para abordar sua ansiedade em sala de aula, sinta-se à vontade para compartilhar com eles nosso artigo dirigido aos professores sobre como apoiar os alunos com ansiedade social.

Você pode acessar este artigo clicando aqui. Desta forma você se certifica de que eles realmente têm o conhecimento básico para entender o seu problema.

(3) Faça acordos com seus professores

Ao abordar seus sentimentos de insegurança com seus professores, é importante deixá-los saber que você não está procurando por um passe livre para que você nunca tenha que participar.

Na verdade, evitar a participação seria uma estratégia prejudicial para seus medos sociais (mais sobre isso em um momento).

Ao invés disso, certifique-se de deixá-los saber que você está altamente motivado a participar ativamente das aulas e a reduzir seus medos um passo de cada vez.

Para tornar isto uma realidade, chegar a certos acordos com seus professores pode ser fundamental.

Dependendo de seus medos e lutas específicas, você pode pedir a seus professores que não o coloquem em situações difíceis ou que você leia longas passagens de texto em voz alta, e assim por diante.

Em troca, você promete levantar sua mão e responder perguntas simples ou se voluntariar para ler parágrafos curtos em voz alta para a classe.

Desta forma, é muito possível reduzir a incerteza do ambiente da sala de aula, o que por sua vez tornará a classe muito menos estressante e lhe dará a oportunidade de se expor ativamente e reduzir seus medos.

Além disso, isto dará aos professores a oportunidade de perceber seu interesse e proatividade em sua classe, o que levará a notas mais apropriadas, já que eles podem basear sua avaliação acadêmica na participação objetivamente perceptível de você.

Outra estratégia útil pode ser um sinal de segurança entre você e seu professor.

Se o professor concordar, você pode usar o sinal sempre que você se sentir sobrecarregado, para que ele ou ela saiba tirar a pressão de você e direcionar a atenção para outro lugar.

(4) Participe voluntariamente sempre que possível

Muitos especialistas concordam que a prevenção contínua de estímulos temidos mantém respostas fóbicas, como no caso da ansiedade social.

Por exemplo, se você tem medo de levantar a mão e falar durante a aula, sua resposta natural é se abster de fazer isso.

No entanto, embora esta estratégia possa proporcionar alívio a curto prazo, ela é muitas vezes prejudicial a longo prazo.

Ao evitar estrategicamente a exposição à situação que o assusta, seu cérebro é ensinado que a situação é de fato perigosa e que ele deve reagir com ansiedade sempre que for exposto a ela.

Porque o comportamento de evitar não apenas mantém, mas muitas vezes aumenta a ansiedade social, é crucial quebrar este padrão.

Se você quer diminuir sua insegurança na sala de aula, este é um dos passos mais importantes.

Uma vez que você entenda os efeitos profundos no seu cérebro de procurar e se expor proativamente a situações que o assustam (por exemplo, fazer apresentações, ser o centro das atenções, conversar com os pares, etc.), você vai se sentir motivado a se expor a elas.

Ao fazer isso, sua ansiedade vai diminuir com o tempo.

Portanto, uma boa estratégia pode ser participar voluntariamente sempre que possível. Fazendo isso, você vai se mover na direção certa.

(5) Prática de Meditação de Atenção Plena

Entre as muitas intervenções que têm se mostrado eficazes na redução da ansiedade social está a prática regular de atenção plena (por exemplo, Jazaieri, Goldin, Werner, Ziv, & Gross, 2012).

Uma das muitas coisas boas é que você pode fazer isso sozinho, sem a necessidade de um terapeuta para realizá-lo.

Apenas algumas semanas de prática regular geralmente têm efeitos profundos na estrutura do cérebro, bem como em processos atencionais que muitas vezes levam a uma redução na ansiedade (por exemplo, Goldin, Ramel, & Gross, 2009Laneri et al., 2015).

A meditação da atenção plena é muito parecida com ir à ginásio, mas para o seu cérebro e sua capacidade de se manter calmo em situações estressantes.

Muitas pessoas afetadas pelo TAS gostam da prática da meditação, pois ela lhes fornece uma ferramenta prática que podem usar por conta própria e que muitas vezes produz resultados substanciais em questão de semanas.

Se você está interessado em começar, sinta-se à vontade para clicar aqui para ser levado ao nosso abrangente artigo sobre meditação da atenção plena para a ansiedade social, que fornece uma introdução completa e um par de meditações guiadas para que você possa começar.

(6) Prepare-se para & Pratique Apresentações

Se você é afetado pela ansiedade social na escola, é muito provável que apresentar algo aos seus companheiros esteja entre seus maiores medos.

Ter medo de falar em público é mais a norma do que a exceção e não é algo pelo qual você deva se julgar.

Na verdade, se você perguntar aos estudantes universitários por seu maior medo, eles mencionam o medo de falar em público mais frequentemente do que o medo de morrer (Dwyer & Davidson, 2012).

Tendo em mente que a maioria das pessoas experimenta altos níveis de agitação ao falar em frente de um grupo já pode acalmar você um pouco em si mesmo.

Ainda assim, há alguns passos adicionais que você pode dar.

Especialmente se você souber com antecedência que vai apresentar um determinado tópico, você pode aproveitar e praticar sua apresentação com antecedência.

Ajuda ter um público, como seus pais, irmãos ou um amigo.

Entretanto, tome cuidado para não ficar obsessivo em suas tentativas de estar preparado. O perfeccionismo é uma característica que muitas vezes é encontrada em pessoas socialmente ansiosas, e acreditar que você tem que fazer tudo impecavelmente é provavelmente alimentar sua ansiedade.

Ao invés disso, permita-se cometer erros. Você é apenas humano, assim como qualquer um de seus pares.

(7) Pratique o Autocuidado Redutor de Ansiedade

Outra ferramenta prática para aqueles com um temperamento ansioso é o autocuidado adequado.

Por mais básica que esta idéia possa parecer, ela pode ter efeitos profundos e não deve ser descartada como irrelevante.

Existem certos hábitos que, se praticados diariamente, reduzirão seus níveis de ansiedade básica, ou pelo menos não os exacerbarão.

Você provavelmente já está familiarizado com todas as recomendações a seguir, então isto deve ser considerado um lembrete cordial.

Se praticado regularmente, os seguintes comportamentos provavelmente terão um efeito amortecedor de ansiedade no seu corpo em situações estressantes:

  • Bom e suficiente sono.
  • Uma dieta saudável e não extrema.
  • Exercício físico e aumento da atividade física em geral.
  • Socialização regular com pessoas com as quais você se sente confortável.

O último pode surpreendê-lo um pouco, pois é o menos óbvio.

Entretanto, pensando no estrito encerramento durante a pandemia de Covid-19, você pode perceber como sua ansiedade social aumentou à medida que a regularidade de suas oportunidades de socialização diminuiu.

Quando o cérebro não é regularmente exposto a situações sociais cotidianas, como sair com amigos, ele reage de forma um pouco diferente quando é exposto a eles novamente, o que pode resultar no aumento do estresse ou ansiedade.

A interação social regular com pessoas com as quais você se sente confortável desencadeia a liberação de hormônios e neurotransmissores que tendem a aliviar a ansiedade.

Afinal de contas, desenvolver e manter conexões estreitas com outros é uma necessidade humana básica. É por isso que reações físicas saudáveis ocorrem quando você se envolve com este comportamento.

Ao mesmo tempo, você deve ter cuidado com os comportamentos que demonstraram aumentar potencialmente a ansiedade em situações sociais.

Isso pode ocorrer quando se bebe muita cafeína e álcool (no caso deste último, geralmente é o dia seguinte que é mais difícil) ou quando se toma qualquer outra droga ilícita em geral.

No final, cabe a você decidir quais comportamentos são bons para você e quais podem aumentar seus níveis de insegurança e ansiedade.

As recomendações acima são simplesmente algumas diretrizes úteis.

(8) Adhere aos princípios básicos de socialização

Este ponto pode ser mais relevante para você se você tiver dificuldade em iniciar e manter conversas com seus colegas de classe, ou se você sentir que lhe falta a capacidade de ser apreciado e fazer amigos.

A socialização não vem naturalmente para todos, especialmente para aqueles que foram privados de oportunidades de aprender habilidades sociais básicas no início da vida.

Entretanto, existem algumas regras gerais que podem ajudá-lo a receber reações mais positivas das pessoas com as quais você interage.

A lista a seguir mostra algumas estratégias que podem melhorar suas chances de ser apreciado e de fazer amigos.

  • Cultive um interesse genuíno pelos outros. Se você estiver sinceramente curioso sobre os outros e suas vidas, suas conversas serão muito mais interessantes e levarão a melhores experiências para todos os envolvidos.
  • Converse sobre coisas pelas quais os outros são apaixonados. Todos têm seus tópicos que amam – há grandes chances das pessoas ficarem mais do que felizes em falar sobre o que as excita. Você pode fazer uso disso.
  • Sorria muito e use uma linguagem corporal amigável. Um rosto sombrio e uma postura que sinaliza desinteresse são sinais para os outros de que você não está acessível e aberto para interagir com eles.
  • Seja engraçado usando seu próprio estilo de humor. Não há necessidade de contar piadas o tempo todo. Mas desenvolver seu próprio tipo de humor fará com que as pessoas se sintam bem em estar com você.
  • Tenha algumas perguntas e tópicos básicos prontos para usar. Exemplos podem ser notícias recentes e atraentes, algo que aconteceu com você que foi interessante, ou simplesmente perguntar-lhes sobre o que eles têm feito ultimamente.

Claro, estes são apenas alguns exemplos, e não há necessidade de pensar que eles são a única maneira de gerar reações mais positivas dos outros.

Há muitas opções e é sempre melhor encontrar o seu próprio estilo. No entanto, se você não sabe por onde começar, as idéias acima podem ajudá-lo.

(9) Comece uma Terapia

Como mencionamos anteriormente, buscar ajuda profissional pode ser crucial e necessário para aqueles que lutam com sintomas mais graves.

Novamente, como já foi dito anteriormente, isto é certamente algo em que seus pais devem estar envolvidos, já que isto concerne à sua saúde e bem-estar.

Se você suspeita que está sofrendo de transtorno de ansiedade social (novamente, você pode clicar aqui para chegar à nossa página descrevendo os critérios de diagnóstico para ter uma idéia), você e seus pais podem ser bem aconselhados a conversar com seu médico de atendimento primário ou um profissional de saúde mental sobre isso.

Existem várias abordagens terapêuticas eficazes que geralmente levam a reduções significativas nas medidas de ansiedade social.

Para aprender sobre essas abordagens, sinta-se à vontade para clicar aqui para ler nosso abrangente artigo sobre o tratamento do TAS, ou você e seus pais podem dar uma olhada em nosso eBook que fornece uma visão abrangente do estado atual da arte das intervenções psicoterapêuticas para a fobia social.

Se você está pensando em começar a psicoterapia, este livro eletrônico é uma base sólida para tomar decisões informadas sobre a abordagem do tratamento que é melhor para você.

Fixe | Compartilhe | Siga


Mostrar Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.