Terapia Metacognitiva para o Transtorno de Ansiedade Social

“Tente posar para si mesmo esta tarefa: não pensar em um urso polar, e você verá essa coisa maldita vir à mente a cada minuto”.

Fyodor Dostoevsky, Notas de Inverno sobre Impressões de Verão, 1863

Na expectativa de uma situação social temida, muitas pessoas com transtorno de ansiedade social (TAS) experimentam alguma forma de pensamento negativo.

“E se elas notarem minha ansiedade?”

“E se eles me rejeitam?”

“Eu não posso fazer esta apresentação, estou muito nervoso”.

“As pessoas vão me ridicularizar se eu cometer um erro”.

Tradicionalmente, a terapia cognitiva comportamental (TCC) argumenta que pensamentos negativos como estes são a razão pela qual as pessoas desenvolvem problemas psicológicos, como distúrbios de ansiedade e depressão (por exemplo, Beck, 1976; Ellis & Harper, 1961).

Entretanto, quando pensamos criticamente sobre isso, percebemos que a maioria das pessoas está familiarizada com pensamentos negativos desse tipo, mas nem todos nós somos afetados por condições de saúde mental.

Então, o que determina se esses pensamentos levam ou não a um distúrbio psicológico, como o TAS?

A terapia metacognitiva propõe uma nova perspectiva.

Não é o que as pessoas pensam, mas como elas pensam

Adrian Wells (2009), Professor de Psicopatologia Clínica e Experimental da Universidade de Manchester, argumenta que o que regula as experiências emocionais das pessoas e sua capacidade de controlá-las não é o que elas pensam, mas como elas pensam.

Ele cunhou o termo metacognição, que se refere a crenças sobre o pensamento.

Por exemplo, você pode manter a crença de que é útil se preocupar com situações sociais futuras, pois isto pode prepará-lo para todas as coisas que poderiam dar errado.

Neste caso, Wells argumenta, não se trata tanto do conteúdo específico de seus pensamentos (por exemplo, “E se eles me rejeitarem?“), mas sim do processo no qual seus pensamentos estão engajados: a preocupação.

Vamos dar uma olhada em como estes dois diferentes pontos de vista são tratados na terapia.

What regulates people’s emotional experiences and their ability to control them is not what they think, but how they think.

TCC Tradicional vs Terapia Metacognitiva

Como mencionado acima, a TCC tradicional argumenta que pensamentos relacionados ao perigo levam à ansiedade e podem eventualmente causar um transtorno (Beck, 1976).

Baseado nesta idéia, o terapeuta e o paciente formam uma equipe para explorar o conteúdo específico dos pensamentos do paciente.

“Tenho certeza que eles vão me rejeitar”.

“Eu não sou digno de amor e aceitação”.

Uma vez identificados, estes pensamentos são tratados como hipóteses falíveis e são examinados criticamente por sua precisão e utilidade.

A teoria metacognitiva, em contraste, argumenta que tais pensamentos negativos não causam transtornos de ansiedade (Wells, 1995).

Ao invés disso, ela aponta o papel crucial das metacognições (idéias sobre pensamento) para o desenvolvimento de condições de saúde mental, tais como a fobia social (Wells, 2009).

De acordo com esta teoria, metacognições errôneas tendem a levar a estilos de pensamento mal adaptados, e estas são a razão subjacente para respostas emocionais desproporcionais, tais como aquelas encontradas em pessoas com ansiedade social.

Metacognitions lead to maladaptive thinking styles, which he sees as the actual causes of psychological problems such as social anxiety.

Portanto, a terapia metacognitiva tenta identificar as idéias maladaptadas do paciente sobre o pensamento.

Isto pode ser alcançado focando nos processos de pensamento em que o paciente se envolve ao experimentar reações emocionais intensas, tais como ansiedade ou vergonha.

Por exemplo, pessoas com TAS tendem a ruminar excessivamente sobre percalços sociais passados, movidas pela crença subjacente (metacognição) de que isto as ajudará a evitar situações sociais similares no futuro.

Vamos dar uma olhada nas metacognições mais comuns das pessoas com ansiedade social.

“Eu posso me preparar para os piores casos, jogando-os na minha mente repetidamente”. – Ansiedade antecipada

“Analisar em detalhes meu desempenho em situações sociais passadas e me deter em situações embaraçosas irá melhorar meu desempenho futuro”. – Ruminação

“Estar atento à minha excitação física e às ameaças externas em situações sociais me ajudará a controlá-las”. – Autoconsciência elevada e foco na ameaça

“É possível e benéfico evitar certos pensamentos”. – Supressão do pensamento

Attempts to suppress unpleasant thoughts usually backfire.

Se você sofre de fobia social, você provavelmente se identifica com uma ou várias das convicções acima.

De acordo com a terapia metacognitiva, estas metacognições defeituosas causam e mantêm sua ansiedade social, pois levam à chamada síndrome cognitivo-atencional.

A propósito, se você quiser aprender mais sobre a TCC tradicional (que é bastante eficaz) para ansiedade social, você deveria clicar aqui para ir ao nosso artigo sobre este tópico. Ele o ajudará a obter uma compreensão abrangente desta abordagem de tratamento amplamente utilizada.

Síndrome Cognitivo-Atencional & Ansiedade Social

Estilos de pensamento mal adaptados, como o envolvimento em ruminação excessiva ou a tentativa de suprimir pensamentos provocadores de ansiedade, tendem a levar a uma forma específica de pensar.

Wells e Mathews (1996) cunharam o termo síndrome cognitivo atencional para se referir a ela.

Como o síndrome cognitivo atencional está ligado a processos de pensamento pouco úteis, ele é visto como a principal razão pela qual algumas pessoas ficam presas a certas emoções (como a ansiedade em situações sociais), enquanto outras pessoas podem seguir adiante relativamente rápido ao enfrentá-las (Wells, 2009).

Por exemplo, pessoas com ansiedade de falar em público tendem a ficar presas em seus sentimentos de nervosismo, pois elas prestam muita atenção à sua ativação física e tentam conscientemente reduzi-la.

Essas tentativas, que são impulsionadas pelo metacognição de que elas são úteis e reduzirão a ansiedade, são a razão pela qual sua ansiedade exacerba ao invés de diminuir.

The cognitive attentional syndrome is the reason why some individuals get trapped into certain emotions such as anxiety. It is a common phenomenon in people with social anxiety disorder.

Como as metacognições errôneas, imprecisas e inúteis estão na raiz do síndrome cognitivo atencional, elas são o principal alvo na terapia metacognitiva.

O que é a Terapia Metacognitiva?

A terapia metacognitiva (Wells, 2007) propõe uma mudança no foco: Longe dos pensamentos negativos sobre si mesmo, sobre os outros e sobre o mundo, e em direção às nossas crenças sobre a utilidade de certos estilos de pensamento.

Ela sugere um exame das idéias que temos sobre nosso próprio pensamento, tais como “É útil se preocupar com o futuro“, ou “É importante controlar meus pensamentos“.

Changing your metacognitions can help ease anxiety and be more calm.

Wells aponta que os pacientes podem recuperar um bom nível de controle sobre suas emoções se eles aprenderem a aceitar pensamentos intrusivos e automáticos.

Ele recomenda que você examine criticamente suas metacognições e as ajuste de acordo se você achar que elas são imprecisas e prejudiciais.

As seguintes perguntas podem ajudá-lo a começar com esta tarefa:

  • É realmente útil se preocupar excessivamente com tudo que pode dar errado, ou chega a um ponto em que só aumenta sua ansiedade?
  • Você realmente se beneficia de ruminar sem parar sobre as falsidades sociais do passado?
  • Faz sentido focar em sua ativação física e ameaças sociais externas ao invés de se envolver ativamente na situação social?
  • Suas tentativas de reprimir pensamentos específicos funcionam? E se você permitir que eles surjam e mudar seu foco de volta para a situação social?

Entretanto, para realmente trazer mudanças significativas e duradouras, nós recomendamos que você inicie um processo terapêutico.

Para saber mais sobre suas opções, clique aqui para conferir nosso eBook que fornece uma visão completa e um resumo das psicoterapias eficazes para a ansiedade social.

Você acha que você é afetado pela ansiedade social? Então participe de um estudo de pesquisa!

Isso tomará apenas 15 minutos do seu tempo e você conhecerá a gravidade da sua ansiedade social.

Você permanecerá completamente anônimo e ajudará os pesquisadores e clínicos a entender e tratar melhor a ansiedade social.

Para participar, simplesmente preencha a pesquisa abaixo ou clique aqui para abrir a pesquisa em uma nova janela do navegador. Nós agradecemos muito o seu apoio.

Pegue | Compartilhe | Siga


Mostrar Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.