Como ajudar alguém com ansiedade social? Um guia detalhado

Sentir-se inseguro em certas situações sociais é normal e adaptativo.

Quando percebemos que corremos o risco de transmitir uma impressão indesejável sobre os outros, podemos reagir com maior alerta, assegurando que não nos comportamos de uma forma que possa ofender os outros ou refletir mal sobre nós mesmos (Leary, 2000).

Entretanto, para algumas pessoas, os sentimentos de insegurança ao redor de outros são muito mais intensos, resultando em ansiedade verdadeira que pode ser paralisante e causar toda uma série de problemas para o indivíduo em questão.

As pessoas que se enquadram nesta categoria ou experimentam grande sofrimento quando confrontadas com as situações sociais que temem, ou evitam estas situações completamente (British Psychological Society, 2013).

Dados os benefícios de curto prazo desta última, ela é frequentemente escolhida ao invés da primeira, uma estratégia que tende a ter efeitos prejudiciais na vida das pessoas a longo prazo, levando a uma diminuição da funcionalidade e satisfação de vida.

Os profissionais de saúde mental falam de transtorno de ansiedade social (TAS; também chamado de fobia social; American Psychiatric Association, 2013) para descrever a presença desses sintomas.

Devido à natureza da fobia social, os indivíduos afetados raramente pedem ajuda. Isso torna ainda mais importante que seus entes queridos aprendam a apoiá-los e acompanhá-los em tempos de crise e a buscar soluções a longo prazo.

Este artigo é destinado às pessoas que têm (ou suspeitam ter) um ente querido com TAS.

Nós lhe forneceremos tudo o que você precisa saber sobre a condição para melhor apoiar uma pessoa afetada pela ansiedade social sem a necessidade de pisar em seus dedos dos pés.

Por que as pessoas desenvolvem ansiedade social?

Embora muitas vezes se suponha o contrário, a ansiedade social, como qualquer outro fenômeno psicológico, não tem praticamente nenhuma causa específica.

Em vez disso, é geralmente o resultado de uma mistura única de vários fatores predisponentes e contribuintes.

Os genes freqüentemente desempenham um papel, especialmente naqueles com um temperamento muito tímido e socialmente inibido.

No entanto, há uma série de fatores ambientais, experimentais e biológicos adicionais que podem influenciar significativamente o desenvolvimento do TAS.

A lista a seguir fornece uma rápida visão geral do estado atual da ciência em relação aos fatores que podem levar ao desenvolvimento da fobia social.

  1. Genética hereditária predisponente (Spence & Rapee, 2016)
  2. Um estilo de apego inseguro (Bohlin, Hagekull, & Rydell, 2000Muris, Mayer, & Meesters, 2000)
  3. Criação desfavorável (por exemplo, Bögels, Van Oosten, Muris, & Smulders, 2001)
  4. Experiências sociais traumáticas (Öst, 1985)
  5. Testemunho dos traumas sociais de outros (Öst & Hughdahl, 1981Mineka & Cook, 1991)
  6. Experiências desafiadoras quando criança (Kessler, Davis, & Kendler, 1997Magee, 1999Lieb et al., 2000; Bandelow et al., 2004)
  7. Habilidades sociais deficientes (Spence, Donovan, & Brechman-Toussaint, 1999)
  8. Formas adversas de dirigir a atenção (Alfano & Beidel, 2011)
  9. Características biológicas predisponentes (por exemplo, Condren, O’Neill, Ryan, Barrett, & Thakore, 2002).
  10. Valores e atitudes culturais (por exemplo, Hofmann, Asnaani, & Hinton, 2011).

Para uma explicação mais detalhada de cada um desses fatores, recomendamos que você clique aqui para acessar nosso artigo sobre as causas do transtorno de ansiedade social.

A seguir, vamos ver como você pode reconhecer que uma pessoa é afetada pela ansiedade social.

Como saber se alguém tem ansiedade social?

Como observado acima, sentir-se inseguro ou um pouco ansioso em certas situações sociais é normal e muitas vezes útil.

Por exemplo, pense em um primeiro encontro ou ter que fazer uma apresentação para um grande público. Você provavelmente concordará que alguma preocupação sobre como você se deparará pode ajudá-lo a causar uma melhor impressão nestas situações.

Como a maioria dos seres humanos experimenta esses sentimentos de insegurança de tempos em tempos, eles não são um indicador de que uma pessoa tenha fobia social.

O que distingue as preocupações das pessoas com TAS daquelas sem ela é que suas preocupações são excessivas (você pode clicar aqui para ir ao nosso artigo sobre os critérios diagnósticos para o transtorno de ansiedade social).

Este excesso é manifestado ou por evitar com freqüência as situações que provocam insegurança, ou por reações intensas de ansiedade quando confrontadas com elas.

Dependendo do indivíduo, a ansiedade pode se manifestar fisicamente na forma de aumento do suor, voz trêmula, falta de ar, aperto de mãos, etc., ou pode se manifestar em comportamentos que podem ser percebidos como estranhos por outros, tais como silêncio extremo, ser rude ou ser excessivamente falador.

Outros comportamentos frequentemente observados em indivíduos socialmente ansiosos incluem maior submissão, tentativas excessivas de agradar aos outros, e evitação de conflitos.

Entretanto, há também um pequeno subgrupo de pessoas com TAS que apresentam o perfil de personalidade oposto, marcado pelo aumento da agressividade e comportamento propenso a riscos (Kashdan, McKnight, Richey, & Hofmann, 2009). Este grupo consiste principalmente de homens jovens.

Embora os sinais acima possam ser indicadores iniciais de que uma pessoa pode ter ansiedade social, não há como saber com certeza que um indivíduo é afetado pela condição sem falar com ele, pois é a experiência subjetiva que realmente conta.

Como falar com uma pessoa a respeito de sua ansiedade social?

Dependendo da pessoa e do seu relacionamento com ela, você pode se perguntar se você deve ou não abordar o assunto abertamente.

A resposta a esta pergunta não é generalizável, pois cada pessoa reagirá de forma diferente a estas tentativas.

Enquanto algumas pessoas podem ficar dispostas a falar sobre o problema delas e acolher qualquer tentativa da sua parte de abordar o assunto, outras podem se tornar muito defensivas e cortar qualquer conversa que possa revelar possíveis vulnerabilidades ou alegadas falhas de caráter.

Tal reação é compreensível, considerando os altos níveis de vergonha que os indivíduos afetados freqüentemente experimentam em relação à sua ansiedade social e à sua própria pessoa em geral.

Ou seja, a maioria das pessoas com TAS tenta evitar ser vista sob uma luz negativa, o que geralmente as leva a serem muito críticas de si mesmas e a esconder de outros as suas partes mais “indesejáveis”.

Praticamente todas as pessoas com fobia social consideram seu TAS altamente desagradável, então elas têm muita vergonha disso e esperam que ninguém descubra sobre isso.

Portanto, ter uma conversa aberta sobre o assunto pode ser muito desconfortável para as pessoas afetadas.

Entretanto, a maioria das pessoas afetadas chega a um ponto em que elas percebem que sua fobia social não vai desaparecer por si só e que elas não podem resolver seu problema sem ajuda.

Se você acredita que seu ente querido chegou a este ponto e que você tem o tipo de proximidade relacional para falar sobre tópicos íntimos, ele ou ela provavelmente será receptivo e agradecido quando você falar sobre o assunto.

Entretanto, certifique-se de que este processo seja o mais fácil e confortável possível para a pessoa afetada, a fim de não assustá-la e evitar que ela se abra.

Não existe uma fórmula mágica sobre como fazer isso. Você, como pessoa amada, está na melhor posição para escolher o caminho mais promissor.

Para pessoas muito ansiosas, que são propensas a envergonhar facilmente e têm uma forte tendência a ataques de pânico, você pode iniciar a conversa por mensagem de texto.

Desta forma, a pessoa não é forçada a confrontar cara a cara e pode manter algum nível de controle sobre o que ela vai compartilhar e se vai ou não se abrir pessoalmente no caminho.

Aqui estão algumas diretrizes para ter em mente quando abordar pela primeira vez a ansiedade social do seu ente querido:

  • Seja empático e compreensivo.
  • Deixe a pessoa saber que você está levantando o assunto porque você se importa com o bem-estar dela, não para criticá-la ou apontar seus defeitos.
  • Pode ser útil compartilhar as situações sociais que fazem você se sentir inseguro. Muitas pessoas com TAS se surpreendem que os medos sociais são bastante comuns e normais. Entretanto, é crucial que você comunique que você sabe que a ansiedade dela/dela é muito mais intensa e severa do que a sua ou a da maioria das pessoas. Você também pode ressaltar que cerca de 10% das pessoas têm TAS em algum momento de suas vidas (Wittchen & Fehm, 2001).
  • Comunique que você entende que não é culpa ou responsabilidade dela/ela que ela/ele sofre de ansiedade social.
  • Deixe a pessoa saber que você está aqui para apoiá-la. Alguns podem achar útil ter alguém para praticar certas habilidades sociais, outros para ter alguém para estar lá para eles em situações difíceis, ou apenas alguém para ouvir. O mais importante é que eles percebam que não estão sozinhos com seu problema.
  • Discuta a possibilidade de iniciar a terapia e se juntar a um grupo de apoio local! Existem várias intervenções eficazes para ansiedade social (clique aqui para acessar nosso e-book que fornece um resumo abrangente das intervenções mais atuais para fobia social), mas apenas 20% dos que sofrem recebem ajuda profissional (Grant et al, 2005). Você, como seu ente querido, pode ajudar a ela ou a ele a tomar a decisão de tentar.

Como já mencionamos, pessoas socialmente ansiosas estão muito preocupadas com a possibilidade de que outros as vejam como estranhas, fracas, estúpidas, inúteis, etc.

A última coisa que você quer fazer é reforçar sua visão negativa de si mesmos. Certifique-se de tratá-los com respeito, como um igual, como alguém digno de ser levado a sério.

Também é importante ter em mente que, devido ao medo de serem vistos como ineptos, algumas pessoas com TAS podem minimizar sua luta e fingir que estão bem quando realmente não estão.

Esta estratégia pode ter conseqüências prejudiciais, pois pode deixá-los sofrendo em silêncio, sem esperança realista de melhoria.

Você, como pessoa amada deles que os conhece bem, está na melhor posição para ser aquela mão de ajuda que eles podem precisar tão desesperadamente, mesmo que eles não a peçam explicitamente.

Como interagir com alguém que tem ansiedade social?

Dada sua ansiedade e sua elevada sensibilidade à crítica, que muitas vezes pode ser difícil de entender para as pessoas que não são afetadas, há algumas nuances a serem consideradas quando se interage com pessoas socialmente ansiosas.

Dependendo da pessoa e suas áreas problemáticas específicas, diferentes coisas podem ser críticas para que elas não se sintam muito desconfortáveis ao interagir com você.

O seguinte é uma lista de comportamentos e situações que tendem a fazer as pessoas com fobia social se sentirem inquietas:

  • Chamar a atenção indesejada em configurações de grupo;
  • ter os outros apontando suas reações de ansiedade física;
  • serem descritas como anormalmente silenciosas;
  • ser pressionadas a falar sobre tópicos íntimos;
  • outros serem abertamente informados sobre sua ansiedade social;
  • serem forçados a enfrentar seus medos ao invés de escolherem fazê-lo elas mesmas;
  • ser criticadas e tratadas com rudeza;
  • ser excluídas de conversas e atividades em grupo;
  • ser colocadas em situações desconfortáveis em um grupo (“O que você pensa sobre isso?“);
  • ser expostas a uma situação que pode revelar uma falta de competência (social).

Estes exemplos são bastante gerais e são mostrados aqui porque eles são os mais importantes para você, alguém que não quer pisar nos pés de uma pessoa com fobia social.

Portanto, a lista acima não é uma descrição exaustiva das situações com as quais as pessoas com TAS frequentemente lutam. Para uma visão mais detalhada das situações mais temidas, sinta-se à vontade para clicar aqui para ir à nossa introdução completa à ansiedade social.

Com as informações acima em mente, é aconselhável que você pise cuidadosamente ao interagir com seu ente querido e baseie seu comportamento com ele em seu conhecimento de sua personalidade e de sua própria intuição.

Ou seja, seu relacionamento com a pessoa socialmente ansiosa provavelmente se beneficiará se você não a colocar nas situações acima e seguir seu instinto quanto a quais situações, comportamentos e tópicos de conversa eles podem apreciar e dos quais eles podem se afastar.

Entretanto, há uma linha tênue entre ser razoavelmente atento às suas dificuldades e reforçar o seu comportamento evitador, sendo este último um fator de manutenção da ansiedade social (Clark & Wells, 1995).

Na melhor das hipóteses, seu relacionamento com a pessoa afetada é uma mistura ideal de consideração e compreensão em relação aos seus medos, bem como apoio e encorajamento em relação ao seu processo de melhoria proativo.

Vamos ver como você pode alcançar tal equilíbrio.

Como apoiar uma pessoa com ansiedade social?

Sem tratamento adequado, o transtorno de ansiedade social é marcado por alta persistência durante toda a vida (Beesdo-Baum et al., 2012).

Quando o TAS permanece estável, as pessoas afetadas frequentemente desenvolvem depressão e abuso de substâncias (Sonntag, Wittchen, Höfler, Kessler, & Stein, 2000Wittchen, 2000; você pode clicar aqui para acessar nosso breve artigo sobre o que acontece quando a fobia social fica sem tratamento).

Por esta razão, a maioria das pessoas socialmente ansiosas se beneficia de ter uma atitude proativa em relação ao seu bem-estar psicológico, o que geralmente envolve quebrar seu padrão de evasão social, um passo de cada vez.

Como a exposição a cenários sociais temidos pode ser muito assustadora e psicologicamente drenante, muitos indivíduos afetados só a procurarão esporadicamente, se o fizerem de todo.

Ter alguém que os encoraja, uma e outra vez, a buscar voluntariamente essa exposição e reduzir a evasão pode ser transformador para muitas pessoas.

Entretanto, é importante não forçar demais e ter certeza de que eles entendam que você os encoraja para o seu próprio bem.

Para ajudar seu ente querido a entender a importância da exposição repetida às situações temidas, você pode compartilhar com eles nosso artigo sobre terapia cognitiva comportamental para TAS, que você pode acessar clicando aqui.

É importante ter em mente que haverá momentos em que eles estarão motivados a enfrentar seus medos, assim como haverá momentos de baixa moral e aumento do distanciamento social.

Tais flutuações são bastante normais em pessoas socialmente ansiosas.

Quando você, como uma pessoa atenciosa e solidária, perceber estas mudanças, você pode querer ajustar seu comportamento de acordo.

Em geral, você deve evitar pressionar demais, assim como você deve evitar ser muito permissivo com a retirada extrema.

Como este último é um típico mecanismo de defesa contra sua ansiedade, é importante respeitar sua agitação momentânea, mas também dar uma mão para lentamente tirá-lo de dentro dele.

É de se esperar quedas repentinas de humor e motivação, já que elas são uma parte típica do processo de melhoria.

Entretanto, estes momentos são freqüentemente críticos, pois os indivíduos afetados podem faltar ao trabalho, escola, faculdade, universidade ou eventos sociais importantes, o que pode ter conseqüências prejudiciais a longo prazo.

O que mais importa nestas situações é que você os apóie durante estes tempos e encontre uma maneira gentil de elevar seu moral e encorajá-los a se tornarem pró-ativos novamente.

Aqui estão algumas recomendações que são freqüentemente úteis:

  • Ouça o que seu ente querido tem a dizer se ele ou ela estiver disposto a falar. Se eles não estiverem, deixe-os saber que você está sempre lá para dar um ouvido, mas não os force demais.
  • Lembre-os de que sentir-se em baixo e desanimado é uma parte normal do processo, o que é de se esperar. Aqueles que melhoram geralmente entendem isso e, como resultado, conseguem superar apesar de seu baixo moral.
  • Se seu ente querido estiver tendo problemas com um evento social em particular, ofereça-se para ajudá-lo a simular e praticar a temida situação.
  • Se eles perderam um par de dias em seu novo emprego, faculdade, etc., eles podem estar inclinados a pensar que já perderam a cara, o que muitas vezes leva a ainda mais desistência e evasão. Ajude-os a entender que retornar ao trabalho, à escola, etc. é uma opção válida e que é improvável que outros pensem tão mal deles como eles imaginam.
  • Crises psicológicas, como um período agudo de afastamento social e evitação, podem servir como motivação para buscar ajuda profissional. Você pode discutir a possibilidade de iniciar um processo terapêutico se você achar que é um momento apropriado para fazê-lo.

Além disso, é importante ter em mente que você só pode fazer tanto. Às vezes, as pessoas que estão sofrendo não estão receptivas às tentativas dos outros de ajudá-las.

Embora seja sua responsabilidade como um ente querido cuidar deles e procurar maneiras de apoiá-los, no final é a própria pessoa afetada que tem que assumir a responsabilidade por seu próprio bem-estar.

Não fique doente porque você corre contra uma parede ao tentar ajudar. Se o seu ente querido não estiver receptivo, certifique-se de que ele saiba que você está disposto a ouvir e ajudar, mas cuide de si mesmo primeiro.

Sua pessoa querida deve procurar ajuda profissional para sua ansiedade social?

Como mencionado acima, o transtorno de ansiedade social deveria normalmente ser tratado profissionalmente, pois pode persistir ou mesmo aumentar com o tempo se não for tratado adequadamente (Beesdo-Baum et al., 2012).

Embora muitas pessoas ainda estejam relutantes em buscar ajuda de psiquiatras, psicólogos e/ou psicoterapeutas, pois dependendo de seu país e região de residência o estigma ainda pode ser significativo, esta opção está se tornando cada vez mais bem aceita.

Se você acha que seu ente querido está lutando com medo de avaliação negativa e ansiedade em situações sociais, geralmente é uma boa idéia fazê-los consultar um profissional de saúde mental para ver quão séria é a situação deles e como eles podem ser ajudados.

Nós queremos enfatizar que esta ajuda deve ser administrada por profissionais.

Recursos online, como este website, podem ser ótimas ferramentas para se ter uma primeira idéia e ser orientado nas direções certas. Entretanto, diagnósticos potenciais e tratamentos correspondentes só devem ser realizados por profissionais de saúde mental que tenham sido treinados para fazê-lo.

Se o seu ente querido estiver disposto a consultar pessoalmente (cara a cara), eles podem conversar com o seu médico de cuidados primários e pedir um encaminhamento para um psicólogo, psiquiatra ou psicoterapeuta.

Dependendo do seu seguro de saúde e do país de residência, pode não ser necessário falar com seu médico de cuidados primários e eles podem entrar em contato diretamente com um profissional de saúde mental.

Você pode se oferecer para acompanhá-los ao centro de tratamento, o que pode facilitar o processo de busca de ajuda profissional.

Se seu ente querido prefere consultar on-line, esteja ciente de que existem várias opções válidas para fazê-lo.

O tratamento online é geralmente especialmente apropriado para pessoas com TAS, pois tem o potencial de diminuir o limite para a procura de tratamento.

Isto é, não ter que ficar cara a cara com um estranho e se abrir sobre sua insegurança aumenta a probabilidade de que pessoas socialmente ansiosas busquem ajuda profissional.

Se o seu ente querido está inclinado a tentar a terapia online, nós recomendamos BetterHelp. É um portal online que combina seu ente querido com um terapeuta adequado para ajudá-lo com sua ansiedade social.

Eles oferecem aconselhamento online e serviços de terapia prestados através da interação baseada na web, bem como comunicação baseada em telefone e texto.

Embora o site seja oferecido apenas em inglês, eles têm excelentes terapeutas que falam português. Ao se registrar, simplesmente selecione que seu ente querido está procurando terapia em português.

Se ele ou ela escolher esta opção, nós apreciaríamos se eles clicassem no banner acima ou usassem este link para se inscreverem para o tratamento online com BetterHelp. Desta forma, podemos ganhar uma comissão sem custo adicional para o seu ente querido.

Nós confiamos nestas contribuições de nossos leitores para criar conteúdos úteis, como este artigo. Obrigado por seu apoio!

Para saber mais sobre a ansiedade social ou para fornecer informações úteis ao seu ente querido, sinta-se à vontade para dar uma olhada em nosso site e blog. Nosso objetivo é fornecer o recurso mais abrangente sobre ansiedade social na web.

Obrigado por ler.

Fixe | Compartilhe | Siga


Mostrar Referências

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.